Movimento operário
A Ford anunciou o encerramento das atividades no Brasil, o que vai resultar na demissão de 72 mil trabalhadores, 12 mil diretos e 60 mil indiretos.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
csm_protesto_dos_funcionarios_da_ford_em_camac__ari_foto_tiago_caldas_11_42d5e15362-17036493
Trabalhadores protestam em frente à unidade da Ford em Camaçari (BA) | Tiago Caldas/Correio

Nesta terça-feira (13), trabalhadores da Ford realizaram um protesto contra o fechamento da fábrica da montadora em Camaçari, região metropolitana de Salvador (BA). A empresa americana anunciou que pretende encerrar a produção de veículos no Brasil na segunda-feira (12). Os trabalhadores fizeram um ato na sede da fábrica e, em seguida, saíram em passeata para o Centro Administrativo de Camaçari. Protestos similares aconteceram nas demais unidades da empresa.

Conforme relato presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Bahia, Júlio Bonfim, o presidente da Ford para a América do Sul afirmou que o encerramento da produção se dá em virtude da “instabilidade econômica do país e a incerteza do país por parte do governo federal”.

Além da fábrica de Camaçari, as unidades de Taubaté (SP) e Horizonte (CE) serão fechadas. Júlio Bonfim assinala que, ao todo, serão 72 mil trabalhadores que perderão seus empregos, 12 mil empregos diretos e 60 mil indiretos, estes últimos relacionados com a cadeia produtiva.

A Ford possui 6.171 funcionários no Brasil. Fechou o ano passado como a 5ª maior vendedora de veículos, dona de uma fatia de 7,14% do mercado nacional. Foram vendidos 119.454 automóveis, 19.864 veículos comerciais leves e 579 caminhões.

Em comunicado à imprensa, a gerência da Ford tenta maquiar os números e esconder a verdadeira amplitude das demissões em massa. As vidas dos trabalhadores e suas famílias são tratados como mercadorias descartáveis, como se não se tratasse de lançá-los no desespero e na miséria. A leitura do comunicado torna evidente o desprezo que os capitalistas têm pelos trabalhadores e suas famílias.

O encerramento das atividades da Ford no Brasil vai lançar milhares de famílias no desemprego, isso no contexto onde não há qualquer perspectiva de conseguir outro emprego devido à recessão da economia. A política neoliberal de destruição nacional implementada pelo golpe de Estado de 2016 e pelo governo Jair Bolsonaro (ex-PSL, sem partido) tem por consequência o aprofundamento da miséria, desemprego e carestia para a população.

Os trabalhadores devem ocupar as fábricas para impedir seu fechamento. A Central Única dos Trabalhadores (CUT) e os sindicatos operários devem organizar a luta contra as demissões e o desemprego, que representam um duro flagelo sobre a classe trabalhadora. Somente a luta da classe operária e suas organizações pode impedir as demissões massivas e o retrocesso nas condições de vida.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas