Bahia
Presidente da Sindifibras esquece de terminar videochamada e é flagrado admitindo a assessor que situação dos trabalhadores é completamente irregular
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
a166bd10-d8b0-11ea-bc37-3e06ce6d099a
Presidente da Sindifibras. | Foto: TV Record/Reprodução

Ao terminar uma entrevista ao programa Repórter Record Investigação, que fazia mais uma daquelas reportagens demagógicas sobra a situação dos trabalhores dos campos de sisal na Bahia, o presidente do Sindicato das Indústrias de Fibras Vegetais no Estado da Bahia – Sindifibras – Wilson Andrade, esqueceu a chamada aberta. Ao conversar com um assessor, ainda com a chamada em curso, admitiu, sem tirar nem por, que a situação dos trabalhadores do sisal é completamente irregular e que teve que defender os patrões mesmo que estes estivessem completamente errados.

O presidente da Sindifibras, quando questionado se as condições de trabalho dos cevadores era análoga à escravidão, negou qualquer irregularidades. Apesar disso, a reportagem mostrava os salários inferiores ao salário mínimo, jornadas exaustivas, mutilações pelo manuseio do motor de sisal e o trabalho de crianças que ajudavam os pais na extração.

Enquanto os cevadores e suas famílias subexistem em situação degradante, as empresas do setor fazem vista grossa para a situação. E não deve-se esperar algo diferente disto, pelo contrário, a burguesia não se prende a moral ou ética alguma que venha a contradizer seu modo extorsivo de lucrar.

Os lucros das indústrias da fibra são imensos. A exportação de tapetes de luxo e outros produtos movimentam mais de 100 milhões de dólares. Tem-se aí uma disparidade colossal entre os diferentes setores da cadeia produtiva.

A situação não é exclusiva da indústria de fibras, outros setores, como o do açúcar e do álcool também se beneficiam da exploração análoga à escravidão dos trabalhadores do campo.

Assim como a classe operária nas cidades, os trabalhadores do campo são oprimidos e explorados sem terem direito a qualquer seguridade, tanto física quanto econômica. Pelo contrário, são expostos a condições subumanas, chegando a perder dedos e até membros inteiros no manuseio dos equipamentos e, muitas vezes, trabalhando em troca de comida e moradia.

A situação no campo mostra como as políticas do estado estão a serviço do capital contra o povo do campo, os indígenas e os povos tradicionais. Os ataques dos latifundiários, das mineradores nacionais e internacionais e das empresas de energia vêm se aprofundando em velocidade acelerada.

Tem-se pela situação dos trabalhadores do campo, que a própria estrutura do estado burguês, como apresenta-se, é subserviente aos interesses do capital, independente de quem o governe, mudando apenas o quão aprofundado são os ataques à classe trabalhadora. Já passou da hora da classe trabalhadora do campo e da cidade, mobilizar-se para dar um fim a exploração criminosa e genocida da burguesia.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas