Xenofobia
A extrema-direita fascista levanta a cabeça e intensifica a perseguição dos imigrantes africanos no Brasil. O assassinato do angolano é uma expressão do regime bolsonarista.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
joa-manuel-itaquera
João Manoel, 47 anos, era imigrante de Angola. Foto: Reprodução. |

Neste domingo (17), um angolano foi morto a facadas em Itaquara, bairro localizado Zona Leste de São Paulo. Dois outros imigrantes ficaram feridos ao tentar impedir a agressão. O agressor é um mecânico brasileiro de 47 anos e fugiu do local.

Testemunhas relatam que o ataque foi motivado por xenofobia e ocorreu após uma discussão sobre o pagamento de auxílio-emergencial do governo federal para imigrantes. No decorrer da discussão, quando os africanos disseram que a posição do brasileiro era uma manifestação do racismo, este último tirou a faca e desferiu um golpe no peito do angolano. O mecânico afirmara que os “estrangeiros só queriam receber dinheiro do governo enquanto os brasileiros estão sofrendo.”.

A imigrante congolesa Hortense denuncia que ameaças e agressões contra imigrantes africanos tornaram-se frequentes na área da Cidade Antonio Estêvão Carvalho. Hortense abandonou sua casa há cerca de dois meses, em virtude das ameaças que vinha sofrendo.

A Cidade Antonio Estêvão Carvalho se localiza na Zona Leste da capital e é conhecida pela grande quantidade de imigrantes africanos, como congoleses,  angolanos e camaroneses. Hortense relata diversos tipos de perseguição e atitudes racistas que vêm ocorrendo contra os africanos, desde discriminação dos motoristas de ônibus até perseguições nas ruas e impedimento de frequentar determinados locais.

A extrema-direita fascista se fortalece e levanta a cabeça com o estímulo e proteção do governo Jair Bolsonaro. A xenofobia e a perseguição dos imigrantes africanos é expressão do clima político imperante no país. Em diversas ocasiões, Bolsonaro manifestou o apoio ao racismo e à prática da xenofobia contra os povos africanos.

A comunidade de imigrantes africanos na cidade de São Paulo e em outras cidades e regiões do país não pode ficar à mercê dos ataques da extrema-direita fascista. É preciso organizar comitês de auto-defesa para reagir à altura. Cada ataque dos fascistas deve ser respondido na mesma medida. Não se pode ter qualquer tipo de ilusão nas instituições do Estado capitalista, pois estas são dominadas pela extrema-direita.

À medida que a extrema-direita se fortalece e toma as ruas, com o apoio do aparelho de Estado, os ataques contra os imigrantes africanos e as perseguições nas ruas vão se intensificar.

O angolano João Manoel, de 47 anos, era um trabalhador frentista. Foi uma vítima da violência dos fascistas, que enxergam na eliminação física dos imigrantes uma solução para a crise capitalista. É preciso organizar a autodefesa do povo negro, do povo pobre, para varrer do mapa os fascistas, pela força.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas