Crise no imperialismo
Trump rejeita pacote de ajuda demagógico, expõe o caráter farsesco do auxílio e recorrete também a demagogia para aprofundar a crise no regime americano
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
biden
Presidente eleito, Biden já enfrente mais pressões ao assumir a Casa Branca, se assumir | Foto: Reprodução

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, rejeitou na noite da última terça-feira (22) o novo pacote de estímulo à economia, no valor de US$900 bilhões, aprovado pelo Congresso americano, após meses bloqueado. Segundo Trump, o plano é uma “vergonha”, o que levou o presidente em final de mandato a pedir um aumento no valor da ajuda governamental dada às famílias americanas para atravessar a crise econômica impulsionada pela pandemia do coronavírus.

Em um vídeo publicado no Twitter, Donald Trump declarou o seguinte:

“Eu peço ao Congresso que altere este projeto de lei e aumente os ridiculamente baixos US$600 para US$2 mil ou US$4 mil dólares por casal. Pedirei ao Congresso que elimine imediatamente os itens inúteis e desnecessários dessa legislação e apenas me envie um projeto de lei adequado”.

“É uma desgraça”, continuou Trump. “Se chama lei de ajuda à Covid, mas não tem praticamente nada a ver com a doença”, completou o mandatário americano, citando ainda trechos do plano aprovado:

“Esse pacote contém US$ 85,5 milhões para assistência ao Camboja, US$ 1,3 bilhão para o Egito e ao corpo militar do Egito, que vai comprar equipamento militar russo, US$ 25 milhões para a democracia e programas de gênero no Paquistão, US$ 505 milhões para Belize, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua e Panamá.”

No vídeo, Trump indica que não assinará o documento sem as mudanças solicitadas, como o aumento no valor do auxílio assistencial. Sem tais mudanças, o atual presidente diz que o pacote possivelmente será aprovado apenas no próximo mandato, e acrescentou: “talvez eu esteja na próxima administração”.

 

Esmola

O pacote aprovado pelo Congresso, com apoio de democratas e republicanos, é parecido, em muitos aspectos, com o auxílio emergencial do regime golpista brasileiro. Ambos não passam de uma esmola diante do volume de recursos de que dispõe os respectivos países, o que no caso da nação mais rica do mundo, é até pior.

A esmola, lá como cá, cumpre ainda um papel político, no sentido de buscar acalmar a população e evitar uma revolta que escape ao controle da burguesia americana. Tal qual no Brasil, a situação política nos Estados Unidos é cada vez mais explosiva, resultado das múltiplas tensões que frequentemente levam o país imperialista a ser sacudido por revoltas extremamente violentas, como as diversas mobilizações ocorridas este ano demonstram.

 

Camarada Trump?

É preciso ter claro que Donald Trump está longe de ter se convertido em um líder popular. Sua disposição em enfrentar o conjunto da burguesia americana, longe do que sua bravata demagógica aparenta, diminuiu nas últimas semanas.

O aumento do auxílio governamental, dado às famílias em situação de penúria devido à crise econômica, não foi parte de sua política durante os últimos meses e nada indica que o regime de interesses que pautam o governo Trump tenham mudado substancialmente.

Contudo, sem sombra de dúvida, a situação mostrou-se perfeita para tentar forçar uma situação no interior do regime americano, com Donald Trump capitalizando o descrédito dos americanos com a futura administração democrata, ainda que pela via da demagogia.

Ao mesmo tempo, o ataque aos valores destinados pelo pacote já coloca Biden e seus adversários em uma sinuca de bico, com o atual presidente afirmando que só aprovará um auxílio maior às famílias do que o proposto pela burguesia. Esta ação já coloca o próximo governo sob intensa pressão para ceder migalhas maiores do orçamento público às famílias trabalhadoras dos EUA.

 

Unidos, contra o povo americano

Pressionado, o presidente eleito, Joe Biden, declarou nesta terça-feira que os US$900 bilhões eram um “primeiro passo”, reconhecendo que o valor da ajuda governamental não era suficiente para atender as necessidades da classe trabalhadora americana, anunciando ainda que pediria ao Congresso para votar, em 2021, um novo plano de ajuda à economia americana, tendo contudo, o cuidado de não detalhar os valores do auxílio.

“Devemos trabalhar envolvendo as duas partes (republicanos e democratas). Somente assim conseguiremos sair dessa situação”, afirmou Biden.

É preciso destacar que o trabalho “envolvendo as duas partes” vem se arrastando há meses, conforme destacado pela imprensa porém só agora o Congresso americano aprovou o pacote de ajuda contra os efeitos do coronavírus na economia, após as eleições e próximo da data provável em que Biden assumirá a Casa Branca -isto, naturalmente, caso nenhuma crise ainda maior se desenvolva-.

De qualquer modo, a exposição do caráter demagógico do plano econômico para enfrentamento da pandemia feito por Trump, já coloca a burguesia americana sob mais pressão do que já tem atualmente.

Com mais de 18,2 milhões de infectados e um total superior a 323 mil mortes, segundo as estatísticas oficiais, o que não falta à burguesia imperialista dos Estados Unidos, neste momento, é pressão. A tentativa de contornar a gigantesca crise em que o país mais poderoso do mundo está mergulhado, parece esbarrar em um doido disposto a bagunçar o coreto. Para os povos oprimidos da humanidade, inclusive dos EUA, isso é ótimo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas