Pobreza extrema
A renda familiar de 17,7 milhões dos mais pobres subiu para R$271,92, mas como isso seria um avanço se o valor é apenas 1/4 do salário mínimo?
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
miséria4
População mais pobre ainda continua sem as mínimas condições de sobrevivência | Foto: Reprodução

A crise econômica e a pandemia da Covid-19 vieram com grande força aos brasileiros desde o princípio, o que criou a necessidade urgente de garantir renda para as famílias mais pobres do país e evitar o caos social que estava prestes a explodir. Com isso, após muita discussão, foi o criado o Auxílio Emergencial, acordado no valor de R$600 para o membro da família que estivesse sem emprego ou fosse um trabalhador informal que agora estava sem renda devido à paralisação de vários serviços durante o vai e vem do fajuto isolamento social praticado em várias cidades do Brasil. O impacto do auxílio foi muito grande e demonstrou que o governo não fazia idéia de quantas pessoas realmente precisavam de algum amparo estatal neste momento tão difícil, uma população completamente invisível e que ainda continua sem condições mínimas de sobreviver à pandemia mesmo com o auxílio.

Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a primeira faixa de renda do país (os mais pobres) representa 10% de toda a população brasileira, o que totaliza 21 milhões de pessoas. Dessas 21 milhões, 17,7 milhões residem em algum lar que recebeu auxílio do governo e essa população passou a ter uma renda domiciliar de R$271,92, o que seria um avanço se comparados a renda familiar anterior de R$7,15. Mas como podemos concluir que isso seja um avanço se a renda familiar (não é nem mesmo a per capita) dessas milhões de pessoas é cerca de um quarto do salário mínimo? São apenas R$271,92 para o alimento, a luz, a água, o vestir, enfim, entre tantas outras necessidades básicas, que são básicas para a maioria da população, mas para esse povo excluído são verdadeiros artigos de luxo.

A população que faz parte dessa estatística em sua grande maioria vive nas favelas, nas palafitas e nos terrenos invadidos porque o Estado burguês não consegue e não tem interesse em resolver o problema da moradia das pessoas, afinal isso impacta na especulação imobiliária e no bolso dos grandes capitalistas da construção. Além disso, outros serviços básicos como água, esgoto e luz são inacessíveis, internet é algo ainda mais distante, e isso aumenta ainda mais as suas condições de esquecidos e excluídos socialmente. O auxílio do governo é completamente insuficiente para resolver problemas tão profundos, ainda mais com valores tão baixos e fora da realidade de milhões de brasileiros, mostrando que o benefício só ajudou realmente quem já tinha uma renda maior garantida, ou seja, o auxílio emergencial serviu de renda extra para uma classe média que não necessitava do benefício, como aconteceram os milhares de casos de militares que solicitaram e tiveram o auxílio aprovado, enquanto milhões de pessoas continuam vivendo em condições precárias sem ao menos poderem se alimentar dignamente em meio à uma pandemia completamente crítica.

Além disso, existe ainda outra parcela desses 21 milhões que continuam sem nenhum benefício e provavelmente com os mesmos R$7,15 de renda familiar, que são os mais de 3 milhões de brasileiros mais pobres que nem sequer conseguiram o auxílio emergencial. Como estariam vivendo essas pessoas em meio a crise econômica e com as condições necessárias para se protegerem da pandemia sendo negadas pelo Estado burguês? O que podemos concluir é que ainda existem milhões que faziam parte dos esquecidos e mesmo assim ainda não foram lembrados, sendo jogados para morrerem de fome ou de Covid-19.

Esse panorama da população mais pobre do Brasil se dá porque o governo genocida de Jair Bolsonaro e toda a direita golpista não têm interesse em dar o devido amparo para a população mais pobre, quando se trata do trabalhador o uso do dinheiro público é gasto, mas quando se trata em salvar grandes capitalistas e os bancos os trilhões já utilizados é investimento, essa é a lógica capitalista, onde somente a burguesia tem o direito de usufruir daquilo que é resultado do trabalho da classe operária, inclusive do dinheiro dos impostos pagos pelos próprios trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas