Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

A disciplina sobre o Golpe de 2016, idealizada pelo professor Luis Felipe Miguel na Universidade de Brasília (UnB), começa a se espalhar por outras universidades federais brasileiras.

Na UFAM (Universidade Federal do Amozanas ),  a disciplina será oferecida pelo professor César Augusto Bubolz Queiróz, do departamento de História, e deve abordar os seguintes tópicos: 1. Golpe de Estado, corporativismo e o legado autoritário da Era Vargas; 2. Golpes e contragolpes no breve período democrático (1945-1964); 3. O golpe civil-militar de 1964; 4. O golpe de 2016: autoritarismo, perda de direitos e reação conservadora. Na UFBA (Universidade Federal da Bahia ), 22 professores da área de Humanas se juntaram para oferecer a disciplina “Tópicos Especiais em História: O golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil”. Ceará (UFC), a matéria está aberta também ao público em geral, que poderá cursá-la como ouvinte;

Varias universidades perceberam que há uma parcela significativa de pessoas insatisfeitas, com a política implementadas pelos golpistas, Reforma trabalhista que acabou com emprego formal, PEC 241 ou PEC do fim do mundo, que praticamente acaba com investimentos nas áreas publicas, o avanço das forças conservadoras sobre o conjunto dos  direitos dos trabalhadores e que tentam cerceamento   as atividades culturais e acadêmicas,  estão virando rotina. Escola sem partido, exposição cancelada no Santander, a performance no MAM/SP, os protestos contra a visita de Judith Butler .

Perseguições políticas: Como o que o ex: presidente Lula e outros dirigentes do Partido dos Trabalhadores vêm sofrendo, promovidas pelo poder judiciário extremamente arbitrário.  E mais recentemente a intervenção militar no Rio de Janeiro que é um laboratório para implementação de uma ditadura militar no país.

A ameaça do MEC de proibição da disciplina ofertada pelo professor Luis Felipe Miguel, da UnB, demonstram que a democracia está em risco e que devemos reagir de forma enérgica contra essas constantes tentativas de censura e aos ataques à autonomia intelectual e às artes e ao direitos individuais da população, Caso contrário, corremos o sério risco de ficarmos reféns de um governo que pretende silenciar as vozes dissonantes. É uma grave ameaça ao povo pobre e trabalhador brasileiro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas