Siga o DCO nas redes sociais

Vídeo
Augusto Nunes agride Glenn: esquerda tem que dar o troco nos fascistas
Propagandista metido a jornalista deu soco no norte-americano durante programa ao vivo da Rádio Jovem Pan
agressão-Augusto-Nunes-em-Glenn-Greenwald
Vídeo
Augusto Nunes agride Glenn: esquerda tem que dar o troco nos fascistas
Propagandista metido a jornalista deu soco no norte-americano durante programa ao vivo da Rádio Jovem Pan
Foto: Reprodução/Youtube
agressão-Augusto-Nunes-em-Glenn-Greenwald
Foto: Reprodução/Youtube

Da redação – O “jornalista” fascista Augusto Nunes agrediu fisicamente Glen Greenwald, editor do sítio The Intercept, durante o programa Pânico na Rádio Jovem Pan, no início da tarde de hoje (07).

Enquanto faziam discussão sobre os vazamentos da Lava Jato, Greenwald lembrou o episódio em que Nunes pediu que o Judiciário investigasse sua vida pessoal, arrancando os filhos que ele tem com o deputado David Miranda (PSOL) e o expulsando do País. Nunes reafirmou que o que o Intercept fez foi lidar com material “roubado”, continuando com a provocação a Greenwald.

Nesse momento, o jornalista norte-americano chamou o propagandista de “covarde” inúmeras vezes e começou o bate-boca mais intenso, quando, Nunes tentou dar um tapa na cara de Greenwald, que conseguiu se defender. Funcionários da rádio tentaram separar a briga, mas logo em seguida Nunes conseguiu dar um soco na cara do editor do Intercept.

Essa atitude de Augusto Nunes apenas comprova de maneira mais enfática como ele é um fascista. Durante anos ele foi um dos principais propagandistas da extrema-direita, utilizando seus espaços na imprensa (como a Veja ou o Roda Vida na TV Cultura) para fazer propaganda anticomunista, pela derrubada do PT, caluniando com as mais descaradas mentiras a esquerda.

Não se pode deixar essa ação sem resposta. A esquerda tem que impedir que a extrema-direita fique a vontade para seguir o exemplo de Nunes e voltar a atacar fisicamente ativistas, simpatizantes e jornalistas democráticos e progressistas. É preciso se defender dos fascistas, de maneira organizada, para abaixar sua cabeça a fim de que não consigam se desenvolver.