Golpe imperialista
Governo dos EUA financiou o golpe e a desestabilização em meio às eleições vencidas por Evo Morales
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
5168357795_63b04897b0_k
Como sempre, imperialismo norte-americano promove mais um golpe.Foto:Esteban Monclova (CC BY-NC 2.0) |

Da redação – Um conjunto de 16 áudios revelados no início de outubro e que podem ser encontrados no portal Behind Back Doors mostra uma parte da participação dos Estados Unidos no golpe militar na Bolívia, que derrubou ontem (10) o presidente eleito Evo Morales.

Os áudios mostram conversas nas quais estão presentes, dentre outros, um ex-presidente boliviano e o ex-governador de Cochabamba, Manfred Reyes Villa, opositor de Morales que vive atualmente nos EUA.

Um desses áudios faz referência a uma ativista chamada Miriam Pereira, que informa que o deputado opositor Juan Flores (presidente do Comitê Cívico de Cochabamba) viajou aos EUA junto com outros direitistas para se reunirem com Carlos Sánchez Barzain, que foi ministro do ex-presidente neoliberal Gonzalo Sánchez de Lozada. A viagem tinha como objetivo arrecadar meio milhão de dólares para gastos em mobilização contra o governo no âmbito das eleições que ocorreram em 20 de outubro.

De acordo com o portal, grande parte do financiamento já estava na Bolívia no início de outubro, graças ao apoio de embaixadas de governos direitistas e da Igreja Evangélica, que seria utilizada pelo governo norte-americano como uma fachada para encobrir sua participação direta no golpe.

Ainda conforme a averiguação do Behind Back Doors, diplomatas norte-americanos na Bolívia, como Mariane Scott e Rolf A. Olson, se encontraram com altos diplomatas de Brasil, Argentina e Paraguai para organizarem e planejarem ações de desestabilização contra o governo boliviano, assim como para repassar o financiamento para a oposição.

As estimativas do próprio governo dos EUA eram de que Morales venceria as eleições no primeiro turno, por isso a embaixada norte-americana criou as condições para a proclamação de uma fraude eleitoral, disseminando essa acusação para outros setores diplomáticos na Bolívia. Assim, Mariane Scott convenceu os governos de Brasil, Argentina, Paraguai, Colômbia, Equador, Chile, Espanha e Grã-Bretanha a denunciarem a “fraude”.

Mas a fraude foi da própria direita. Em julho, os opositores “cívicos” se reuniram e concordaram em adquirir “máquinas para a contagem rápida de votos” para manipular o resultado das eleições de outubro, cujo custo total seria de 300 mil dólares. 

A embaixada dos EUA e a representação da União Europeia contribuiriam com mais de 800 mil dólares através da Fundação Jubileo e da Igreja Evangélica. O dinheiro também foi gasto no pagamento dos funcionários que contariam os votos. Também seriam recrutados jovens de extrema-direita para, após a contagem e antes do resultado final, começarem a onda de violência.

O portal ainda adianta (a primeira matéria é de 8 de outubro) que o fascista Luis Fernando Camacho, presidente do Comitê Cívico de Santa Cruz e principal líder do golpe, recebe total assessoria de Rolf A. Olson, funcionário da embaixada dos EUA, e que um dos candidatos derrotados por Evo Morales, Oscar Ortiz, recebeu treinamento secreto do governo norte-americano.

Além disso, toda a desestabilização causada após a eleição de 20 de outubro – locautes, campanhas de propaganda enganosa na imprensa, violência etc – foi dirigida e financiada pela embaixada dos Estados Unidos na Bolívia.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas