Crise política
O bloco político golpista expõe suas fissuras internas nos conflitos entre Bolsonaro, o STF e o Congresso Nacional. Os militares apoiam Bolsonaro e vetam seu impeachment.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
toffoli-e-bolsonaro
Bolsonaro e o Ministro Dias Toffoli. Instabilidade entre os poderes executivo e judiciário | Crédito: Carlos Moura/SCO/STF

As operações de busca e apreensão autorizadas pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), relacionadas com o inquérito das “fake news” contra líderes do bolsonarismo, que incluem deputados, empresários e militantes, é expressão da crise do bloco político golpista. Desde então, líderes bolsonaristas se dedicam a fazer ameaças aos membros do STF nas redes sociais.

As diversas facções do bloco golpista disputam o controle do aparelho do Estado. A invasão da casa do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), foi saudada por Jair Bolsonaro, que parabenizou a PF pela operação. Como resposta, Witzel denunciou a perseguição política levada diante por Jair Bolsonaro, o principal responsável pela sua chegada ao governo do estado do RJ. Bolsonaro já apontou que Witzel interviria nas investigações da Polícia Civil do RJ para responsabilizá-lo pelo assassinado da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ).

Os militares, o principal pilar de sustentação do governo Jair Bolsonaro, intervieram na situação política nacional em favor do governo. Partidos políticos exigiram que o celular de Bolsonaro fosse apreendido para que fosse investigada sua participação em protestos que pediam a edição de um novo AI-5, o fechamento do STF e do Congresso Nacional. Imediatamente, o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), comandado pelo general Augusto Heleno, publicou nota que repudiava a ideia de apreender o celular do presidente e ameaçava o país com um golpe militar. Diversos generais da reserva e associações de militares publicaram nota em tom de ameaça e, inclusive, falou-se de guerra civil.

Apesar de os militares estarem em postos-chave do governo e ocuparem centenas cargos em todos os escalões e nas diretorias de empresas estatais por nomeação do próprio Bolsonaro, eles procuram se desvincular do governo ao dizerem que são “instituição de Estado”. As ameaças de golpe militar e banho de sangue contra a população e a esquerda feitas em um dia, são negadas e suavizadas no outro dia. Quando os partidos da burguesia cogitaram mais abertamente o impedimento de Bolsonaro no Congresso Nacional, Heleno vetou e respondeu que Bolsonaro “fica”. Isto é, os militares não aceitariam o impedimento levado adiante pelo poder legislativo.

Bolsonaro critica abertamente os outros poderes da República. Em um discurso, afirmou que determinadas ordens judiciais não devem ser cumpridas. Isto é, o próprio presidente afirma a necessidade de desobediência civil contra medidas do poder Judiciário. No Congresso Nacional, Bolsonaro tem buscado uma aproximação com o bloco do centrão (MDB, PSDB, DEM, Republicanos, Progressistas, PL) e distribuído cargos no governo para obter apoio político.  Isso vindo de um governo que atacava a “velha política”, era contra a “corrupção” e afirmava que jamais faria a “barganha de cargos e o toma lá, dá cá” em prol de apoio político.

O pano de fundo da crise política é a crise econômica e seu aprofundamento causado pela pandemia do Covid-19, que já causou 469.510 infecções e 28.015 mortes no decorrer de três meses. Estima-se um retrocesso de 10% do PIB e são milhões de desempregados em meio à pandemia.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas