Atos pró-Bolsonaro foram capa em todos os jornais, os pelo Fora Bolsonaro foram silenciados

atoedu

No dia 15 de maio, mais de um milhão de pessoas foram às ruas para protestar contra o governo Bolsonaro. Inicialmente, os atos foram convocados por entidades ligadas ao movimento estudantil e à categoria dos professores. No entanto, logo as manifestações foram aderidas por diversos setores, transformando-se em uma ampla mobilização contra a direita golpista.

Encurralado, o presidente ilegítimo Jair Bolsonaro convocou manifestações em sua defesa para serem realizadas no dia 26 de maio. Mesmo com um investimento milionário, todos os atos bolsonaristas foram um retumbante fiasco: poucas pessoas foram às ruas e a impopularidade do governo se tornou ainda mais evidente.

Embora as manifestações do dia 26 tenham sido um fiasco, a imprensa burguesa procurou, através de inúmeras manipulações, apresentar um cenário irreal: o de que Bolsonaro tinha levado centenas de milhares de pessoas nas ruas e que ainda tinha uma base social consideravelmente influente na situação política. Segundo esses órgãos de imprensa, que são verdadeiros capachos do imperialismo, Bolsonaro teria feito atos em mais de 150 cidades.

Outro fato relevante em relação à cobertura da imprensa capitalista é o de que, em todos os grandes jornais que servem à burguesia, os atos bolsonaristas saíram em primeira capa. Isto é, para quem acompanha a Política apenas pela imprensa burguesa, a impressão que se dá é a de que os atos bolsonaristas foram o grande acontecimento da semana.

No dia 30 de maio, mais de meio milhão de pessoas saíram às ruas, novamente, para se manifestar contra o governo Bolsonaro. Em contraste com os atos bolsonaristas, que foram um completo fiasco, os atos do dia 30 foram grandes mobilizações e contribuíram para enfraquecer ainda mais o governo Bolsonaro.

A imprensa burguesa, contudo, mal noticiou os atos que aconteceram no dia 30. As matérias, em geral, tinham um caráter depreciativo das manifestações – alegavam, por exemplo, que o movimento estava perdendo força – e não tiveram o destaque merecido – não apareceram nas capas dos jornais controlados pela burguesia.