Fora Bolsonaro!
Em 23 estados, atos pelo Fora Bolsonaro são organizados pela CUT
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
whatsapp-image-2020-08-07-at-17.01.07
Atos demonstram um primeiro passo na reorganização da mobilização em todo país. | Rodrigo Rodrigues/G1

A última sexta-feira (7), foi marcada por um novo chamado da CUT  (Central Única dos Trabalhadores) para a realização de atos nacionais pelo Fora Bolsonaro.

Os atos estavam previstos em diversas capitais do país, em 23 estados brasileiros, como também, cidades do interior. Em grande medida, foram organizados para serem uma homenagem aos 100 mil mortos e a luta por emprego, junto a palavra de ordem central pelo Fora Bolsonaro.

A organização foi assinada em nome de 11 centrais sindicais, porém na prática, a única que encabeçou de fato o movimento, foi a Central Única dos Trabalhadores.

Ato das centrais sindicais no bairro de Pinheiros, Zona Oeste de São Paulo em memória dos 100 mil mortos pela Covid-19 no Brasil. — Foto: Abraão Cruz/TV Globo

Cruzes foram levadas, e 100 minutos de silêncio foram organizados em todas as manifestações, assim como, uma paralisação deste mesmo tempo nas fábricas do ABC (SP).

Foi registrado atos em Aracaju, Osasco, São Paulo (ato nacional), Santo André, Campinas, Florianópolis, Palhoça, Porto Velho, Porto Alegre, Caxias do Sul, Natal, Rio de Janeiro, Curitiba, Recife, Belo Horizonte, entre muitas outras cidades.

Belém (PA)

Belo Horizonte (MG)

Brasília (DF)

Cuiabá (MT)

Cárceres (MT)

Curitiba (PR)

São Bernardo do Campo (ABC)

São Paulo

Ato da CUT na Praça da Sé, Centro de São Paulo, em memória das 100 mil vítimas da Covid-19 e contra o governo Bolsonaro. — Foto: Dino Santos/CUT-SP

Os atos reuniram em média 20 a 50 pessoas, sendo mais uma iniciativa dos chamados “dias de luta” organizados pela CUT durante a pandemia. Independente do número de pessoas, a realização destes atos foi de importante caráter para a organização da mobilização. A CUT, naturalmente sofre grande pressão de suas bases para assim organizar estes eventos.

Ato das centrais sindicais na Zona Oeste de São Paulo, em memória das 100 mil vítimas da Covid-19 no Brasil. — Foto: Abraão Cruz/Tv Globo

Contudo, como dado de exemplo pelos trabalhadores em greve na Renault (PR), de nada adianta “plantar” cruzes durante os atos, a não ser que as mesmas sirvam para bater na extrema-direita. Dessa maneira, os atos da CUT são um primeiro passo para o que necessita ser uma reorganização do movimento de luta contra o golpe e pelo Fora Bolsonaro.

A partir destes atos, novos precisam ser chamados, e uma campanha de mobilização permanente organizada em todo país. A participação da população nestas manifestações, que pouco foram convocadas, demonstra uma importante tendência de luta que precisa ser aproveitada.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas