Ato exige liberdade dos líderes das ocupações e presos políticos

ministerio publico estadual sp 1 - 24-07-2019.JPEG

Ontem, 24/07, dia em que completou um mês da prisão arbitrária de quatro lideranças do Movimento Sem Teto do Centro, em São Paulo, o Comitê em Defesa do Movimento Popular realizou um ato em frente ao Ministério Público do Estado de São Paulo, local onde Sidney Ferreira, Jacine Ferreira da Silva (Preta Ferreira), Ednalva Silva Ferreira e Angélica dos Santos Lima, foram indiciados e presos, outros quinze membros do movimento de ocupação também foram indiciados.

“Trata-se de prisão política”…, como disse Preta Ferreira em entrevista à Rádio Brasil Atual. “O promotor, que indiciou os 19 integrantes do movimentos dos sem tetos e prenderam Preta Ferreira, Sidney, Ednalva e Angélica foi nada mais, nada menos, que o promotor Cassio Conserino, o mesmo que denunciou, sem provas o ex-presidente Lula, no caso do Tríplex do Guarujá, litoral de São Paulo.”

Foi tirada uma comissão para tentar agendar uma audiência pública sobre essas prisões arbitrarias. Porém, a exemplo de todas as prisões políticas que vem ocorrendo ao longo dos anos no Brasil, como no caso de Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente do Brasil, preso a mais de 450 dias, nada se resolveu até agora com esse judiciário golpista.

Uma frase que reflete bem essa situação foi dita no ato, qual seja: “Na hora de nos receber, são dóceis, prometem avaliar… más na pratica, a situação é bem outra”. É necessário a mobilização do conjunto da população de todo o país, dos trabalhadores, bem como todos os movimentos sociais para, em uma luta conjunta, derrotar o golpe, orquestrado pelo imperialismo norte-americano, o próprio judiciário, etc., que colocou na presidência da república o fascista Jair Bolsonaro, João Dória, governador, Bruno Covas, prefeito, ambos golpistas de São Paulo, do PSDB, principais interessados pela destruição dos movimentos sociais em São, da retirada de mais de 3.500 moradores em ocupações, somente na capital de São Paulo.

Portanto, essa luta passa pelo fora Bolsonaro; fora Doria e Fora Covas. Liberdade Para Lula, Preta Ferreira e todos os presos políticos do Brasil.