Bloqueio imperialista
Os EUA impõem desde 1962 um bloqueio total à ilha, que impede Cuba de ter acesso aos mais elementares meios para seu desenvolvimento econômico, científico e tecnológico
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
74906666_527884874700732_2976201242780368896_n
Movimentos populares expressaram apoio à ilha. Foto disponibilizada pela embaixada cubana |

Nesta quarta-feira (30) realizou-se, em frente a embaixada dos Estados Unidos da América, um ato contra o bloqueio dos países imperialistas, principalmente o norte-americano a Cuba.

O ato organizado pelo Fórum de Solidariedade Internacional contou com a participação de várias entidades, tais como a Central Única dos Trabalhadores (CUT); Movimento dos Sem Terra (MST); Frente Nacional de Libertação (FNL), o Comitê em defesa da Venezuela General Abreu e Lima e partidos políticos como PT e PCO. O ato que se concentrou em frente a Catedral de Brasília, saiu em passeata pela Esplanada dos Ministérios até a embaixada norte-americana.

Nas falas dos dirigentes, das várias entidades que compunham o ato, era unanime as colocações em relação as intervenções dos países imperialista aos povos, principalmente, da América Latina e do Caribe, que vem sofrendo, em praticamente todos os países golpes e embargos, conforme acontece, também, ao povo venezuelano através do embargo imposto pelo governo fascista de Donald Trump.

O bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos EUA, desde 1962, a Cuba é um ato criminoso, digno de um governo fascista, que tenta a qualquer custo asfixiar o país na tentativa de destruir tudo que a revolução Cubana conquistou. Para um dos organizadores e componente do Fórum de Solidariedade Internacional e dirigente a CUT DF, Ismael Cesar, os países imperialistas executam uma política de fome e miséria aos povos das Américas e Caribe para satisfazer o apetite dos grandes capitalistas e banqueiros internacionais. É necessário seguir os exemplos dos trabalhadores chilenos e equatoriano respondendo os ataques dos governos lacaios do imperialismo nas ruas.

O PCO esteve presente na atividade fazendo um chamado a todos os trabalhadores e a juventude a repudiar os atos genocida dos países imperialistas através dos boicotes aos povos da América Latina que lutam pelos seus direitos e conquistas através de muitas lutas e revoluções.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas