Vem ai a “marmelada”?
Intensificar a mobilização pela anulação da criminosa operação lava jato e pela imediata liberdade de Lula,
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
STF-Toffoli-Fux-Roberto-Barroso-28Nov2018
O presidente do STF, Dias Toffoli |

O Supremo Tribunal Federal (STF) julga hoje três ações declaratórias de constitucionalidade (ADC’s) que reivindicam que sejam declaradas a constitucionalidade do artigo 283 do Código de Processo Penal, que estabelece que “ninguém poderá ser preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada da autoridade judiciária competente, em decorrência de sentença condenatória transitada em julgado ou, no curso da investigação ou do processo, em virtude de prisão temporária ou prisão preventiva” e – ainda que possa parecer incrível (para os que ainda se iludem de que estamos em um regime minimamente democráticos), para que a Suprema Corte, apontada como “guardiã da Constituição”, referende o que determina o texto constitucional que determina que “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória” (conforme inciso LVII do artigo 5º da CF).

O “entendimento”  da maioria ultradireitista do STF (uma interpretação de natureza claramente politica), permitiu a prisão política de Lula, depois do processo e condenação totalmente fraudulenta na 13ª Vara Federal de Curitiba, sob o comando

do ex-juiz Sérgio Moro, premiado com um “super ministério” e a promessa de um cargo vitalício no próprio STF; que foi referendada, em segunda instância, pelo super parcial plenário do Tribunal Federal de Recursos, de Porto Alegre, TRF-4, no caso do triplex de Guarujá.

Para validar essas arbitrariedades, o STF aguardou o julgamento do recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e vem adiando o julgamento de todos os recursos da defesa de Lula, incluindo o da suspeição de Sérgio Moro, o que poderia levar à anulação da condenação de Lula. O recente julgamento em que absurdamente se discutiu se a defesa teria o direito de se pronunciar por último após as acusações, como no caso das delações premiadas (quase sempre obtidas de forma ilegal), também foi suspenso, a pretexto de que se debata uma “dosimetria”, para ver como esse procedimento elementar não coloque Lula e outros presos políticos do regime em liberdade.

Agora, a imprensa golpista e “analistas”. – que sempre pressionaram e endossaram violações da Lei para garantir a perseguição política contra Lula e outros adversários do regime – indicam que o STF se encaminha para uma revisão parcial do “entendimento” atual, o que não beneficiaria Lula com o reestabelecimento pleno de sua liberdade e de seus direitos políticos. Poderia ser mantida a situação atual ou tentar se impor uma situação em que se d6e a aparência de que Lula foi beneficiado, mas na qual seus direitos direitos políticos não sejam restabelecidos.

É evidente que essas manobras, da mesma forma como a proposta do MPF de Curitiba, de propor que Lula passe ao regime semiaberto expressam a violenta crise no interior do regime golpista e, particularmente, no MP e Judiciário, desmascarados diante da população, com as provas abundantes de que toda a operação de condenação e prisão Lula, não são mais do que parte de um esquema criminoso e golpista, orientado diretamente pelo imperialismo. Mostram também a uma certa “tremedeira” do regime golpista diante das tendências a uma grande mobilização contra toda essa farsa, como se expressa na crescente mobilização em favor da liberdade do ex-presidente e no apoio crescente que Lula desfruta entre a população; que cresce de forma diretamente proporcional ao aumento da rejeição ao governo ilegítimo de Bolsonaro e da revolta contra seus ataques ao País e ao povo trabalhador.

Camiseta Ato 27/10 Lula Livre Já!
Camiseta dos Comitês de Luta Contra o Golpe para o ato do dia 27/10

Para garantir os direitos democráticos de Lula e de milhares de presos e seus familiares e de todo o povo brasileiro, o caminho – sem dúvida alguma – não passa por esperar por decisões do judiciário que respeitem a Constituição.

Independentemente do que se decida hoje no STF, não há outro caminho para fazer valer esses direitos democráticos e a vontade da maioria do povo que não seja o da mobilização nas ruas.

Da mesma forma que no Equador ou na luta do povo  Catalão por sua independência, não é possível impor uma derrota fundamental ao regime golpista por outro caminho que não seja o da mobilização popular.

É preciso deixar para trás a atitude passiva de aguardar por novas medidas do STF e demais órgãos do judiciário golpista.

É hora de intensificar a mobilização pela anulação da criminosa operação lava jato e pela imediata liberdade de Lula, por Lula

Livre Já!. Que seja colocados em liberdade todos os presos políticos e todos os presos provisórios, que não tenham condenação definitiva.

Essa mobilização é parte fundamental da luta para colocar abaixo o regime golpista, como o Fora Bolsonaro e todos os golpistas, anulação das eleições fraudulentas de 2018, convocação de novas eleições livres e democráticas, com Lula livre e Lula candidato.

Mãos-à-obra: organizar caravanas de todo o País, para ocupar Curitiba, no próximo dia 27.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas