Teto dos gastos
Neste sábado dia 29 de agosto, em um artigo na Folha de São Paulo, o economista liberal Armínio Fraga defendeu o fim do teto de gastos públicos.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
RIO DE JANEIRO/BRAZIL, 14APR09 - Participants captured during the World Economic Forum on Latin America in Rio de Janeiro, Brazil, April 14, 2009.
Copyright World Economic Forum (www.weforum.org)/Photo by Bel Pedrosa
Arminio Fraga Neto - World Economic Forum on Latin America 2009 | Foto: World Economic Forum / Bel Pedrosa

Neste sábado dia 29 de agosto, em um artigo na Folha de São Paulo, o economista liberal Armínio Fraga defendeu o fim do teto de gastos públicos. O artigo foi um ataque a continuidade do teto dos gastos e a proposição de uma saída “equilibrada”.

Armínio Fraga é ex-presidente do Banco Central do Brasil e sócio-fundador da Gávea Investimentos, entre os economistas desenvolvimentistas e keynesianos, Fraga é considerado como um liberal, com forte laços com os interesses do imperialismo norte-americano, sendo um da “autonomia” do Banco Central,  do câmbio flutuante e do cumprimento de metas de superávit fiscal e de inflação.

No seu artigo na Folha de S. Paulo, Fraga tenta que nas condições geradas pelos teto dos gastos públicos “o espaço para cortes nos gastos correntes discricionários praticamente se esgotou e o investimento público está próximo de zero, o que é política e economicamente insustentável”.

Nas palavras de Fraga: “o futuro macroeconômico do país ainda está longe de ser confiável. Quem vai investir em um país com indicadores tão incertos? O que fazer então com o teto?”. Onde continua questionando Fraga. “Restam então duas alternativas: defender a ferro e fogo o teto ou buscar uma saída mais equilibrada. Não creio que a defesa pura e simples do teto seja uma solução viável por muito mais tempo. Melhor planejar o quanto antes uma saída organizada e crível”.

“Como o único caminho que enxergo é gradual e a nossa credibilidade, baixa, me parece de todo essencial que se aprove o quanto antes uma versão da PEC Emergencial que ofereça ao governo as ferramentas necessárias para se desenhar e executar um orçamento plurianual crível. Esse orçamento deveria indicar com clareza as metas mencionadas acima para o gasto público e o superávit primário. Só assim seria possível uma flexibilização segura do teto”, pontua o liberal.

O que vemos aqui não é um fenômeno de mudança da orientação política do economista Fraga, ao contrário em seu artigo ele encontra espaço para atacar o serviço com pressupostos altos salários. A realidade é que o cenário a desenhar-se no horizonte e tão funesto, e por isso tão instável que até os carniceiros liberais estão criticando o teto dos gastos 

Isso traz novamente à baila a necessidade dos trabalhadores de se mobilizarem e organizarem para superar o moribundo incurável do Estado capitalista. Apenas superando a política liberal que propõe utilizar a classe trabalhadora como sacrifício para manutenção dos lucros capitalistas, e a imposição de um Estado operário é que os trabalhadores e toda a sociedade terão condições de desenvolvimento pleno.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas