Demagogia
Carrefour: de empresa racista e escravocrata a modelo de empresa antirracista?
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
2020-11-20T171232Z_2_LYNXMPEGAJ16T_RTROPTP_4_VAREJO-CARREFOUR-MORTE-1
João Alberto Freitas, trabalhador negro, foi morto no estacionamento Carrefour pelo seguranças | Foto: Diego Vara/Reuters

Durante um sessão externa da Câmara dos Deputados, que acompanha o caso do assassinato de João Alberto Freitas pelo Carrefour, em uma loja da rede em Porto Alegre, Stephano Engelhard, vice-presidente da empresa no Brasil confirmou a responsabilidade da mesma no assassinato de claro cunho racista. O fez não sem grande dose de demagogia, ao mesmo tempo que reconhece a responsabilidade da empresa, afirma ser fruto de um “erro”, uma “falha”.

Segundo Engelhard:

“O Carrefour errou, o Carrefour falhou. Tem alguma coisa que não funcionou no Carrefour. Vou deixar isso bem claro para que não haja dúvidas. Pode ser uma empresa terceirizada, mas a responsabilidade é nossa”.

A posição do executivo da multinacional imperialista é uma resposta a política que a empresa adotou após a repercussão extremamente negativa, para o Carrefour, do caso. Logo após o assassinato, empresa imperialista contratou um grupo de pessoas ligadas, supostamente, ao combate ao racismo, negros e brancos, destacando-se Silvio Almeida, teórico do “racismo estrutural”, para desviar o foco do caráter claramente racista da empresa e de sua responsabilidade no caso para coisas difusas.

Com esse espírito que a empresa criou o Comitê Externo de Livre Expressão sobre Diversidade e Inclusão, com um orçamento de R$ 25 milhões de reais, esperava com isso maquiar bem a empresa. Esse Comitê teria a função de assessorar a empresa, que explora, discrimina e até assassina negros, para que desenvolva ações de combate ao racismo e a discriminação, tornando-se, como afirmou um dos acionistas no Brasil, ABilio Diniz, uma referencia na luta antirracista no Brasil.

A primeira ação deste Comitê foi uma série de recomendações que colocariam o Carrefour na trilha do antirracismo. As recomendações passam por: adoção de uma política de tolerância zero com racismo e discriminação, incentivo de empreendedorismo negro, qualificação diferencia para 100 negros e negras por ano para acelerar na carreira, principalmente, mudar o sistema de segurança da loja, internalizando-a, oferecendo assim cursos formativos para os funcionários da segurança, parceria com movimentos negros, tornando o time da segurança um instrumento de combate ao racismo, dentre outras medidas inócuas.

Porém, ficou evidente que o Comitê nada mais era do que um subterfúgio dos capitalistas para recuperar a imagem positiva da empresa, acalmar a população negra organizada, salvaguardando-a de sanções drásticas. Ficou evidente a manobra, essa pessoas foram contratadas para dar ao Carrefour, uma empresa imperialista, que explora e mata o povo negro, um selo de empresa modelo de antirracista.

Surgiu um grande número de criticas a posição serviu dos negros que compõe o Comitê, cujo, objetivo e retirar a pecha de empresa racista; escravocrata do Carrefour, tornando-a, não de fato, mas na imagem, uma empresa preocupada com a luta contra a discriminação, tiveram de se explicar.

Silvio Almeida, conhecido como teórico do racismo estrutural, uma concepção pequeno-burguesa sobre a questão da opressão do negro, procurou justificar-se afirmando que não era bem assim. Publicou em sua conta nas redes sociais:

“Não trabalho para o Carrefour, não fui chamado pela empresa e nem irei funcionar como “assessor”. O intuito do Comitê é propor formas de reparação e meios de responsabilização que possam contemplar a família de João Alberto, mas também ao conjunto da sociedade.

Portanto, não sou assessor ou coisa que o valha, o que aliás foi uma condição para que eu participasse. Apenas não quero mais que outra pessoa seja assassinada e tenhamos como resposta “palestras de sensibilização” em dois meses do ano e indenizações irrisórias”

É evidentemente uma farsa já que o Comitê se colocou como tarefa pensar estratégias de combate ao racismo para o Carrefour. Se o objetivo de Almeida é promover uma reparação a família de João Alberto, massacrado pelo Carrefour, deveria denunciar a responsabilidade da gigante escravocrata imperialista, defender expropriação do Carrefour Brasil e a sua estatização e não compor um Comitê impulsionado pela empresa.

Outra questão fundamental diz respeito a questão da segurança, levantada pelo Comitê, que dão como uma das soluções a substituição de uma empresa terceirizada de segurança privada para que o próprio Carrefour administre a segurança, oferecendo formação e cursos antirracismo. Como se o problema do negro fosse algo puramente ideológico; uma preocupação com a formação das das pessoas, formação antirracista, poderia livrar o negro das consequências do racismo e da opressão. É uma confusão política, as ideias e representações racistas somente podem desaparecer se solapado o fundamento que lhes dá origem, ou seja, a super-exploração do negro e opressão política dela decorrente.

Nesse sentido, podemos entender a posição do vice-presidente do Carrefour. Ao afirmar que a responsabilidade é do Carrefour está respondendo, ainda que de maneira demagógica, já que atribui a responsabilidade a erros e falhas, aos inúmero críticos deste Comitê e de seu objetivo. O tiro saiu pela culatra, uma parcela da opinião pública não viu a ação da empresa como algo positivo, mas como uma manobra para se safar da responsabilidade e da penha de empresa escravocrata, o que são de fato.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas