Demagogia
Novo site da Agência Central de Inteligência enfatiza a ideia de representatividade e inclusão das mulheres, negros e imigrantes no aparelho de espionagem
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
9356574_010421-wls-cia-hiring-430pVO-vid
Propaganda da CIA dá ênfase ao recrutamento de mulheres, negros e imigrantes nos EUA | Reprodução

A Agência Central de Inteligência (CIA, siga em inglês) dos Estados Unidos da América (EUA) inaugurou seu novo portal na internet em 4 de janeiro de 2021. A página exibe um novo visual e afirma que está entre suas prioridades o recrutamento de agentes dos grupos sub-representados na sociedade americana, como mulheres, negros e imigrantes.

O orçamento da CIA para o ano passado foi de US$ 62,7 bilhões. A Agência proporciona salários de até US$112 mil dólares. A mudança tem por objetivo atrair os jovens e tentar modificar a imagem da CIA, passando a impressão de que há um esforço para incluir as minorias, de forma a torná-la mais representativa.

É importante destacar que a CIA é um dos principais instrumentos de intervenção política dos Estados Unidos pelo mundo. Nas décadas de 1950 e 1960, a Agência foi responsável por organizar  e executar os assassinatos de importantes lideranças do movimento nacionalista africano. A montagem das ditaduras militares na América Latina seria impossível sem sua assessoria direta, inclusive com cursos de técnicas avançadas de tortura, ocultamento de cadáveres e repressão política às Forças Armadas e Polícias.

As propagandas da representatividade e inclusão das minorias entram em contradição com a história da CIA. Como pode ser possível que um instrumento de assassinato das lideranças nacionalistas africanas, efetuada para impedir uma verdadeira independência nacional das ex-colônias africanas, possa representar os negros?

Sabe-se da existência de uma rede de prisões secretas administradas pela CIA espalhadas pelo mundo, que funcionam como centros de torturas dos inimigos políticos dos Estados Unidos. No Iraque e Afeganistão, países invadidos e destruídos pelos americanos, a CIA teve papel de destaque na implantação do terrorismo contra a população.

Embora sua atividade esteja vinculada à política externa, é factível que a CIA assessore o FBI (Federal Bureau of Investigation – Departamento Federal de Investigações) no monitoramento e repressão permanente ao movimento negro. Na época das mobilizações pelos direitos civis, o FBI atuou deliberadamente para destruir as organizações de luta do povo negro. Nos períodos do Pânico Vermelho (“Red Scare” -1919-1921) e do Macarthismo (1950-1960), os órgãos de repressão americanos se empenharam na perseguição fascista à esquerda.

Trata-se da tradicional demagogia identitária imperialista, que agora busca se travestir de antirracista, mas mantém os negros e imigrantes, sobretudo latinos, em condições terríveis e condena milhões de africanos à miséria. O recrutamento de negros, mulheres e imigrantes não passa de uma manobra de propaganda, com o efeito real de formar espiões e agentes da inteligência norte-americana, capitães-do-mato à serviço do imperialismo “democrático”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas