HAMBURGUER_1
SHARE

A eleição mais democrática seria entre Lula e Bolsonaro

Anterior
Próximo

Mortes ultrapassam 200

Ataques de Israel contra Palestina deixam 58 mil refugiados

Carnificina de Israel contra Palestina gera massacre histórico

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Palestinos protestam em Gaza contra genocídio – Reprodução

Por Brasil de Fato

Os ataques de Israel contra a Palestina não diminuem, apesar das denúncias internacionais. Desde o dia 7 de maio já somam 212 falecidos, incluindo 61 crianças, cerca de 1,5 mil feridos e 58 mil refugiados, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU).

Do total, 42 mil estão albergados em 50 escolas de Gaza. Segundo o exército israelense, nas últimas 24h o país bombardeou 65 objetivos na Palestina com 110 mísseis, disparados de 62 aviões militares. 

Entre os objetivos estariam cinco sedes do movimento de resistência palestina Hamás. O ministro da Defesa de Israel, Benny Gantz afirma que as bombas são uma resposta aos foguetes e pedras lançadas pelo Hamás contra civis.

“Nossos objetivos são unicamente desmontar sua infraestrutura terrorista para proteger nossa gente”, declarou. 

7099e101047d237c38541569a0c48906
Palestinos ocupam as ruas de Jerusalém nesta terça-feira (18) para denunciar ataques de Israel / Agência Wafa

O ministério de Saúde palestino informou que sua sede foi atacada, assim como uma clínica no bairro Al-Rimal e a sede da Cruz Vermelha. Além disso, uma das explosões destruiu o principal laboratório de exames de covid-19 na Faixa de Gaza, a maior biblioteca pública da cidade e um orfanato.

“É uma flagrante violação dos estatutos, costumes e dos quatro convênios de Genebra, uma violação ao direito dos médicos e ao trabalho humanitário reconhecido internacionalmente”, afirmou o secretário-geral da Cruz Vermelha de Qatar, Ali bin Hasan Al-Hammadi.

1609aa4303867a4ca481788691345eee
A maior biblioteca da Faixa de Gaza foi um dos prédios destruídos pelas bombas de Israel / Agência Wafa

“A comunidade internacional deve responsabilizar a ocupação por seus crimes hediondos e contínuos contra equipes médicas e instituições de saúde”, concordou Yousef Abu al-Rish, subsecretário de saúde em Gaza.

O funcionário palestino ainda apelou por ajuda humanitária para manter o abastecimento de medicamentos básicos e equipamentos de proteção individual à equipe médica na região. 

Nos últimos dias, o Conselho de Segurança da ONU debateu uma terceira proposta de resolução do conflito na fronteira entre Israel e Palestina, enviada pela China, Tunísia e Noruega. Todos os textos redatados até o momento foram negados por voto contrário dos Estados Unidos. 

A última proposta incluía a evacuação de Jerusalém e uma solução pacífica acordada entre ambos Estados-nação. O governo chinês denunciou a postura intransigente de Washington e seu apoio à manutenção da guerra. 

Em Jerusalém, vídeos publicados em redes sociais mostram o exército israelense agredindo jornalistas que cobrem a situação. 

Nesta terça-feira (18), milhares de palestinos ocuparam as ruas de Jerusalém ocidental para impedir o desalojamento forçado de palestinos da região e denunciar a violência contra seus compatriotas. O ato foi acompanhado pelo Comitê de Acompanhamento Árabe em Israel, que organiza cerca de 20% da população árabe em território israelense. 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.