Verdadeira crise humanitária
Deixada sob o caos da superexploração imperialista, a população pobre da Burkina Faso fica submetida a trabalhos precários e à guerra civil..
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Young boys at Kollo carry water from the bottom of a thirty-foot open well. The water is used to supply water to the surface panning area.
Crianças trabalhando nas minas de ouro de Burkina Faso |

A mineradora canadense Semafo transportava trabalhadores na região leste da Burkina Faso quando foi surpreendida por homens armados, que dispararam contra o comboio. Esta foi a terceira emboscada nos últimos 15 meses. O comboio viajava de Fada-Ngourma às minas de ouro de Bongou, era formado por 5 ônibus e contava com a escolta do exército. A informação oficial é que 37 pessoas foram mortas e outras 60 ficaram feridas no tiroteio. Na tentativa de escapar destes ataques, a Semafo já utilizou até helicopteros para transportar seus trabalhadores à mina.

Burkina Faso é um dos vários países que nasceu das revoluções nacionalistas de libertação que tomaram conta da África no pós-guerra, e deixaram a região picotada por fronteiras mais ou menos artificiais, permeada de miséria, desigualdade e problemas sociais não resolvidos, provocados pelas elites europeias desde os tempos coloniais e escravagistas. As guerras de independência não diminuíram a sede da burguesia imperialista em explorar os recursos naturais existentes na região. Para isso, patrocinam, com frequência, golpes de estado e milícias locais, para desestabilizarem governos e imporem representantes aliados a seus interesses.

Sob a ganância imperialista, todo esforço é para extrair as riquezas do país ao mais baixo custo, sem qualquer preocupação com a construção de uma infraestrutura mínima que permita o desenvolvimento de mercados locais e da sociedade. Isso faz com que a população pobre só encontre alternativas miseráveis. Quase meio milhão de habitantes abandonaram seus lares à procura de regiões mais seguras nos últimos anos. Os que permanecem, encontram trabalhos arriscados e de baixo salário, como a atividade mineiradora. Outros se juntam à guerrilha armada, na tentativa de controlar porções territoriais e seus recursos.

Este contexto faz com que a Burkina Faso seja um dos vários países africanos onde a luta de classes se manifeste escancaradamente como um conflito armado, no qual grupos locais disputam o controle da região à bala.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas