Ataque a militante do PSOL: o fascismo não se combate com #EleNão

administradora-grupo-contra-bolsonaro-agressao2

Na ultima segunda-feira, uma militante do PSOL, Maria Tuca, foi agredida por homens armados no Rio de Janeiro. A militante e uma das organizadoras do movimento Mulheres Contra Bolsonaro no Rio de Janeiro. De acordo com o partido, Maria Tuca teria sido atacada por homens  armados que saíram de um carro, os homens a agrediram com coronhadas.

O ataque a militante do PSOL demonstra que não e possível combater o fascismo por meio das eleições. Nas ultimas semanas as ilusões eleitorais da esquerda estão sendo manipuladas pela direita em prol de seus próprios objetivos. Exemplo claro disso e a campanha contra o candidato fascista Jair Bolsonaro com a palavra de ordem #elenão, a qual visa impedir que Bolsonaro ganhe as eleições . Os setores mais diretamente golpistas estão utilizando da confusão desse movimento eleitoral para impulsionar o seu candidato favorito, Geraldo Alckmin, contra o monstro fascista Bolsonaro. Vale lembrar que Alckmin e tao ou ate mais fascista que Bolsonaro, haja vista a política de repressão e de terra arrasada de seu governo no estado de São Paulo.

Por outro lado, a única forma de se impor uma derrota ao fascismo e por meio da mobilização nas ruas, dos trabalhadores e suas organizações. A ideia de que a luta central e entre fascismo e democracia somente serve para encobrir o real conflito que existe na sociedade, que o conflito de classe. Nesse sentido e necessário denunciar o golpe de estado, a manipulação e a fraude nas eleições, a qual impediu de maneira arbitraria a participação do ex-presidente Lula, e chamar a população a se mobilizar pela derrota de todos os golpistas.