Futebol contra o racismo
Melhor jogador brasileiro da atualidade com ajuda de Mbappe faz com que o PSG se retire da partida em apoio a auxiliar técnico do time turco alvo de tratamento racista por árbitro.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
36341313316_7da9e51bbd_o
Neymar mostrando a habilidade do jogador brasileiro | Antoine Dellenbach site Flick

Nesta terça, foi possível uma comprovação que muitos jogadores de futebol não são os alienados políticos que a esquerda pequeno burguesa gosta de proclamar.

Em partida pela Liga dos Campeões da UEFA entre o Paris Saint-German e o Istanbul Basakshir no Parc des Princes em Paris, quando o lateral do time turco, o brasileiro Rafael, tomou um cartão amarelo por uma falta, todavia os integrantes do banco turco começaram a reclamar do cartão por considerar que os jogadores franceses tinham feito igualmente o mesmo tipo de entrada sem sofrer punição. Por estas reclamações, o árbitro principal Ovidiu Hategan, romeno, seguindo a sugestão do quarto árbitro, o também romeno Sebatian Coltescu, expulsou o auxiliar técnico do Basakshir, o camaronês Pierre Webó, que se estaria reclamando da decisão de modo veemente.

Mas o estopim foi que Cosltescu dizia em romeno para o árbitro principal “aquele cara negro“ e “aquele cara negro tem de ir embora”. Isto provocou a fúria do camaronês que percebeu como estavam se referindo a ele e a reação indignada  do centroavante senegalês Demba Ba, um dos reservas, interpelou Coltescu pela maneira ofensiva que pedia a expulsão do auxiliar técnico dizendo de acordo com tradução da transmissão do Esporte Interativo: “Você nunca diz: este cara branco, você diz este cara. Então me ouça por que quando você menciona um cara negro diz este cara negro?”.

O que Demba Ba conseguiu foi ser expulso também por Hategan. Com isto ele começou a chamar os jogadores dos times para saírem do campo. Simultaneamente, Neymar se dirigiu ao árbitro principal disse “Não vamos jogar”, isto foi reforçado em seguida por Mbappe que disse “se este cara não sair não jogamos” se referindo que o PSG não iria jogar enquanto o quarto árbitro estivesse presente. Após quinze minutos de muita conversa para lá pra cá, os dois times deixaram o campo para os vestiários. Foi tentada uma solução paliativa de trocar este árbitro por um que estava na sala do VAR, mas isto não foi aceito.  E depois de duas horas de espera sem que os times aceitassem a voltar em campo com a presença do romeno a partida foi suspensa. Mais tarde, a UEFA aceitando que a partida fosse reiniciada nesta quarta do ponto que foi interrompida com outro quarteto de arbitragem.

A arbitragem que esteve na continuação da partida nesta quarta-feira foi modificada pela Uefa. Sebastian Coltescu foi substituído por Bartosch Frankowsky, da Polônia. O árbitro principal será agora o holandês Danny Makkelie, que será auxiliado pelo compatriota Mario Diks e pelo polonês Marcin Boniek. O italiano Marco Di Bello será o principal responsável pelo VAR. A UEFA também cancelou o cartão vermelho dado ao auxiliar técnico Pierre Webó.

Quem assistiu a transmissão no Facebook no Esporte Interativo pode perceber que a postura ativa de Neymar para que o jogo fosse interrompido. Esta atitude serve para desmontar várias críticas feitas ao melhor jogador brasileiro em atividade, pois se os direitistas no Brasil afirmam que não existe racismo, Neymar colocou no twitter a famosa expressão “Black Lives Matter” abaixo da imagem da metade do seu rosto coberto pela sua mão esquerda fechada apontando para cima.

Contudo, impressiona como certos sites progressistas de notícias preferiram ironizar a postura de Neymar em razão de uma entrevista ao repórter Sonia Racy no jornal Estado de S. Paulo que ele concedeu aos 18 anos onde ele dizia que não tinha sofrido racismo até aquela época, mas isto teria acontecido porque não seria negro. Ao invés de elogiar o processo de tomada de consciência e mais do que isto sua tomada de atitude. Uma comprovação que esta esquerda está totalmente programada para atacar o jogador que é motivo de orgulho e de admiração de tantos trabalhadores não só do Brasil, mas do mundo como um todo.

Uma última informação. Nesta quarta feira (09/12), o Paris Saint-German ganhou a partida por 5 a 1 do Istanbul Basakshir com o camisa 10 da seleção brasileira marcando três gols, um deles com direito a caneta no marcador.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas