Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
STRASBOURG, FRANCE  - MAR 22, 2018: Medical personell at demonstration protest against Macron French government string of reforms, mutiple trade unions have called public workers to strike
|

A ascensão da extrema-direita fascista na França está afetando o direito das mulheres a decidirem democraticamente sobre seus corpos. A ofensiva se dá sobre o direito ao aborto, existente há quase 45 anos no país.

Atualmente, a França está sendo governada por um representante direito da Troika (FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu), que é uma articulação dos grandes bancos e instituições financeiras internacionais. Além do governo Macron, cresce a extrema-direita fascista com o partido Reagrupamento Nacional de Marine Le Pen, conhecido pelas declarações racistas, anti-imigrantes africanos e contra os direitos das mulheres e dos trabalhadores em geral.

O Sindicato dos Ginecologistas e Obstetras da França (Syngof) ameaçou suspender a interrupção voluntária da gravidez como uma forma de negociar com o governo uma reivindicação da categoria. De acordo com uma mensagem enviada ao aos seus sócios, o sindicato, atuamente tomado pela direita,  escolheu a questão do aborto por “criar polêmicas” entre os médicos.

A direita tem criado empecilhos para inviabilizar na prática o direito ao aborto.  Foi criada uma cláusula de consciência, que autoriza o médico a pedir um período de reflexão, o que atrasa ou até mesmo impede a realização do procedimento.

O direito à decisão democrática é uma conquista dos movimentos sociais. A maternidade não deve ser imposta pela polícia ou pela justiça e nem ser utilizado como moeda de troca  de médicos de extrema-direita. Cabe às organizações de massas e o movimento de mulheres se mobilizarem para barrar a ofensiva direitista contra seus direitos democráticos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas