Direita destrói a natureza
Mais de 1.000 indígenas morreram nos últimos quatro meses, vítimas da covid-19 e cerca de 20.000 foram infectados, de acordo com os dados mais recentes da organização
5f17002459bf5b45777f013b.JPG (1)
Vista de una parcela deforestada del Amazonas cerca de Humaita, Brasil, 22 de agosto de 2019 | Foto: Ueslei Marcelino / Reuters
5f17002459bf5b45777f013b.JPG (1)
Vista de una parcela deforestada del Amazonas cerca de Humaita, Brasil, 22 de agosto de 2019 | Foto: Ueslei Marcelino / Reuters
Os povos amazônicos estão sendo atacados em seus territórios pela extrema direita da América Latina, vivendo uma realidade onde veem a selva ser queimada, derrubada e saqueada pelo extrativismo nacional e internacional. Neste sentido, a primeira Assembléia Mundial da Amazônia, realizada formalmente no último final de semana, de forma virtual, com participantes dos nove países pan-amazônicos: Peru, Brasil, Venezuela, Bolívia, Equador, Guiana, Guiana Francesa, Suriname e Colômbia, trás a denúncia ao mundo.

Mais de 1.000 indígenas morreram nos últimos quatro meses, vítimas da covid-19 e cerca de 20.000 foram infectadas, de acordo com os dados mais recentes do coordenador de organizações indígenas da bacia amazônica (COICA) e da rede eclesial Panamazonica (REPAM). 

"Estamos unidos pela dor, unidos pela emergência, unidos pela esperança, rebelião (...) Estamos de luto por uma pandemia que levou nossos avós, nossas famílias. O mundo também está de luto, mas apesar disso ele não quer acordar ainda ", disse Gregorio Mirabal, coordenador geral da COICA, no discurso de abertura da Assembléia.

Porém, é preciso dizer que este tipo de fórum não irá parar o avanço da burguesia contra a natureza. As reivindicações de que os países parem a extração ilegal, são um grito no vazio, pois está política de queimadas, derrubadas, grilagem, hoje são políticas dos Estados comandados pela extrema direita à mando dos EUA. O genocídio em massas de indígenas é política imperialista dos yankes.  O roubo de petróleo, minérios nas fronteiras, hoje são comandadas por empresas francesas e européias de diversos países. 
A luta dos povos indígenas deve ser a luta dos explorados, da esquerda, pela auto defesa e pelo armamento. Não há saída institucional para este problema, visto que é uma guerra política imperialista mundial ocupar a Amazônia. 
Relacionadas
Send this to a friend