Assembleia dos trabalhadores dos Correios de Campinas aprova paralização dia 14 de junho
casa campos
Assembleia dos trabalhadores dos Correios de Campinas aprova paralização dia 14 de junho
casa campos

Os trabalhadores dos Correios da cidade de Campinas e região, localizada no estado de São Paulo, aprovaram em assembleia geral realizada no dia 11 de junho, as 19 horas, a participação da categoria na greve geral do dia 14 junho, que tem como objetivo lutar contra a reforma da previdência e o próprio governo golpista de Jair Bolsonaro.

Com cerca de 50 trabalhadores, a assembleia apesar de pequena, debateu a campanha salarial da categoria, que tem como data base o mês de agosto, mas também a situação política do país, que a partir do golpe de estado realizado em 2016, contra o governo do PT, aumentou nos Correios o sucateamento da empresa visando a sua destruição para realizar a privatização desse patrimônio do povo brasileiro.

Os trabalhadores dos Correios presentes à assembleia,  de forma unânime, entenderam a necessidade da greve do dia 14 de Junho pelo Fora Bolsonaro, como também a necessidade de levantar a campanha pela liberdade de Lula como forma de defender os sindicatos e sindicalistas de ataques fascistas e da criminalização dos movimentos sociais, já que já existe sindicatos dos trabalhadores dos Correios sendo atacados pela polícia dos golpistas, como foi o caso recente da invasão do Sintect-MT (Sindicato dos Trabalhadores dos Correios do Estado do Mato Grosso), aonde a invasão teve como consequência a prisão de dirigentes sindicais.

Somente o sindicalista do PSTU/Conlutas, Paulo César de Almeida, atendente comercial dos Coreios destoou da categoria na assembleia, ao defender que o PT, Lula e Dilma fariam a mesma reforma que o governo golpista de Jair Bolsonaro está propondo.

Paulão, como é conhecido, insistiu na política de extrema direita, da rede Globo, do MBL, dos bolsonaristas de defender a Lava jato, do juizeco Sérgio Moro, de manter a prisão de Lula através da acusação sem provas de que Lula é corrupto.

Também defenderam e a ideia absurda de que o governo do PT é a mesma coisa que o governo de jair Bolsonaro., o que só pode caber na cabeça de um direitista, pois enquanto Lula e Dilma aumentou a quantidade de universidades públicas no país, Bolsonaro está propondo o corte de 30% do orçamento na educação.

O PSTU (Partido Socialista dos Trabalhadores Unificados) que apoiaram todos os golpes de estado no mundo, como no Brasil, Ucrânia, Síria, Venezuela, Egito etc, insiste em ficar do lado dos golpistas no Brasil e defender que uma liderança popular e de esquerda que é o Lula fique preso.

No entanto, a assembleia do Sintect-Cas ignorou o sindicalista do PSTU/Conlutas, e aprovou a pauta da categoria, os eixos de campanha, que inclui Fora Bolsonaro e liberdade para Lula.