Assédio nas escolas adoece professores

1-sindrome-de-burnout

Nas escolas públicas estaduais de São Paulo há milhares de professores afastados por problemas de depressão, Síndrome do Pânico e outras enfermidades relacionadas com o excesso de trabalho e a perseguição dos gestores em relação à disciplina, conteúdos e notas dos alunos.

A escola é um “depósito” de gente e coloca o professor para administrar diretamente esse caos, os gestores que estão em suas salas não querem problemas para eles, que o professor transforme o caos em paraíso de aprendizagem.

Todo esse assédio que é direcionado aos professores acaba gerando diversas doenças, afastamentos e readaptação. Muitos profissionais acreditam que são culpados das mazelas da escola, mas não percebem que a escola foi feita para não funcionar, antes era extremamente excludente, hoje é mero estoque, em que o aluno não tem condições mínimas e adequadas de aprendizagem.

Porém nesse sistema podre quem é o culpado é o professor de todos os males da escola pública, na maioria são desqualificados enquanto profissionais, o próprio sistema enaltece os gestores e ataca os professores.

Depois dos alunos os professores são maioria nas escolas, é preciso unir os professores e os estudantes contra os gestores que desejam massacrar e adoecer os professores.