Prisão política se mantém
Advogados de Julian Assange fizeram o pedido devido à ameaça da infecção por coronavírus. O ativista possui condições de saúde pré-existentes.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
julian assange
Foto: REUTERS/Henry Nicholls |

Da redação – O ativista australiano Julian Assange, criador do site Wikileaks, teve seu pedido de liberdade sob fiança negado pelo Tribunal de Magistrados de Westminster, em Londres. O pedido foi feito devido à crise do coronavírus. Segundo seus advogados, a doença representa perigo imediato para Assange, que possui condições de saúde pré-existentes. O vírus já infectou 8.077 no Reino Unido, dos quais 422 já morreram.

A juíza Vanessa Baraister, citada pelo jornal Independent, diz que a prisão de Belmarsh, onde se encontra Assange, tem a responsabilidade de manter os detentos em segurança. Ela ainda disse que “Atualmente, essa pandemia global ainda não forneceu razões para a libertação de Assange”.

Outra questão citada por ela foi a “conduta passada” de Assange, que demonstraria até que ponto ele iria para evitar procedimentos de extradição. O ativista enfrenta um processo de extradição para os EUA, onde pode pegar até 175 anos de prisão devido a supostos crimes de espionagem.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas