“A culpa é do povo”
Esquerda pequeno-burguesa coloca a culpa no povo, tanto pela mobilização, como pela falta de mobilização. O povo sempre é o vilão, para essa esquerda
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (D), governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (C), e o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (E), visitam o Senado Federal.   Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado
Conchavos com a direita e ilusão nas instituições... Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado |

Setores da esquerda vêm fazendo diversas declarações a respeito do cenário latino-americano, que apresenta uma avalanche de mobilizações populares em vários países no sentido de derrubar os governos golpistas e de extrema-direita que o imperialismo instalou.

Boa parte dessas declarações é absolutamente conservadora e direitista contra os povos desses países. Outra parte é positiva em relação aos nossos irmãos, mas totalmente reacionária quando os comparam com os trabalhadores brasileiros.

Como exemplo do primeiro caso, pode-se citar o jornalista Alex Solnik, que, em sua coluna no portal Brasil 247, condena os protestos mais radicais no Chile, dizendo que eles ameaçam a democracia, e chega a elogiar o presidente semifascista Sebastián Piñera, que colocou os tanques nas ruas para reprimir a população. 

Em um posicionamento ambíguo, Solnik indica que, tanto os militares nas ruas, como os manifestantes violentos, podem estar ameaçando a democracia no Chile. “Tomara que, no afã de derrubar Piñera não se derrube a democracia”, conclui.

Trata-se aí de uma defesa do governo neoliberal e de extrema-direita de Sebastián Piñera, um continuador das políticas do ditador Augusto Pinochet. O povo chileno cansou de sofrer com as mazelas impostas pelo neoliberalismo e se revoltou. A violência dos manifestantes é uma resposta (a uma altura muito mais baixa) contra a violência que a população chilena sofre há décadas. É uma violência legítima, e que tem sido afogada a sangue pela violência ilegítima das forças repressivas do exército e da polícia, que já mataram ao menos 15 pessoas. A democracia que Solnik diz existir no Chile – e que os manifestantes estariam ameaçando – na verdade é uma ditadura mascarada, mas que o povo entende muito bem como funciona, porque é sua vítima a cada dia.

Trata-se também de deslegitimar esse tipo de protesto caso ocorra – e há de ocorrer – no Brasil. O povo brasileiro também está cansado de sofrer com a ditadura imposta por Bolsonaro, e, quando perder a esportiva com as atrocidades cometidas por Bolsonaro, Witzel, Doria, Zema etc., deverá também se manifestar de maneira radicalizada. Estará errado? Parece que, segundo o critério de Solnik, sim.

Mino Carta pode exemplificar o segundo caso, o de que os brasileiros seriam covardes se comparados com os chilenos ou equatorianos. Na Carta Capital, ele afirma que “o Brasil carece de um povo corajoso e consciente”, enquanto que os equatorianos conseguiram, por meio de uma revolta popular, revogar o fim do subsídio estatal aos combustíveis.

É preciso mencionar, no entanto, que a revogação no Equador é parcial e o governo pode voltar a aplicar as medidas que iria tomar de maneira gradual. A “conquista”, assim, seria facilmente revertida. Além disso, o que o povo equatoriano queria era a queda do presidente traidor Lenín Moreno. A derrogação era apenas um detalhe.

Mas, por ainda não ter se mobilizado da forma como fizeram os equatorianos, o povo brasileiro seria covarde. O que Carta e os demais setores da esquerda não levam em conta é que o povo brasileiro está sim se mobilizando, desde o começo do ano, e a favor da derrubada de Bolsonaro. O povo quer o Fora Bolsonaro. Quem não quer isso é justamente essa esquerda, particularmente a ligada aos aparatos burocráticos do Estado, que alimenta ilusões nas instituições como o Congresso ou o Judiciário, ou que cria alianças com a direita através da chamada Frente Ampla, a mesma direita que deu o golpe e é sustentação do governo Bolsonaro.

É isso o que impede que o povo brasileiro esteja nas ruas, em massa e de forma radical, incendiando o País, colocando a direita para correr e enfrentando concretamente os golpistas. É a falta de direções sérias na esquerda, que organizem a luta dos trabalhadores ao invés de criar conchavos políticos que acabam por boicotar essa mesma luta. Se a esquerda (tanto a ligada aos aparatos do Estado como a burocracia sindical) mobilizasse a população, o Brasil não só estaria em ebulição, mas seria o país do mundo atualmente em uma maior efervescência popular, devido ao tamanho da crise política, social e econômica e ao tamanho de sua classe operária e organizações populares.

Mas a esquerda prefere esperar até 2022. Enquanto isso, coloca a culpa no povo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas