Paranaguá (PR)
Para conter a radicalização do movimento, que se inclinava à defesa da estatização, prefeito bolsonrista salvou monopólio capitalista abrindo os cofres públicos aos patrões
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Greve rorodivários
Trabalhadores em frente à garagem da Viação Rocio, durante a greve | Reprodução

Nesta terça (9), após 27 dias de paralisação, a maior greve da história dos rodoviários de Paranaguá (PR), foi encerrada. Os motoristas e cobradores de ônibus conseguiram que a empresa Viação Rocio, que opera o transporte na cidade, firmasse acordo para pagar os salários atrasados até esta quinta (11), quando apenas 10 ônibus circularão na cidade. No entanto, o monopólio privado só aceitou pagar o que deve aos trabalhadores após o prefeito bolsonarista Marcelo Roque (Podemos) ter aberto os cofres públicos para salvar os capitalistas. Numa manobra para encerrar a greve, que se inclinava a reivindicar a estatização do transporte e o fim do monopólio privado, o prefeito agiu para encerrar a greve e salvar os patrões, numa manobra que vai custar aos parnanguaras 226 mil reais por mês, enquanto durar a pandemia, mais de 2,7 milhões por ano!

A greve dos rodoviários começou pela defesa dos salários, que foram cortados e reduzidos pela Viação Rocio, que continuou aplicando a MP 936 de Bolsonaro mesmo após sua validade ter expirado em dezembro. Com salários, que não são muito maiores que o mínimo, atrasados, rebaixados e parcelados, os motoristas entraram em greve em janeiro.

Isto fez com que a categoria se chocasse contra a Viação Rocio, o monopólio privado, que pertence a uma família que também é dona de várias outras empresas do setor no Paraná e no Brasil. A empresa, que como muitos patrões no país, apoiou-se na MP de Bolsonaro para atacar os trabalhadores, jogando a conta da crise capitalistas e da pandemia sobre eles, procurou a todo momento utilizar a greve para chantagear a prefeitura a liberar subsídios e salvar a empresa, que segundo ela mesma “não tinha dinheiro devido à queda do faturamento durante a pandemia”.

Desta forma, os patrões procuraram jogar os trabalhadores contra a prefeitura, no sentido de pressionar o prefeito a resolver o impasse dando dinheiro público para salvar um monopólio capitalista. Como gestor do contrato de concessão com a empresa, a prefeitura teria poderes para aplicar sanções contra a concessionária e em última instância, rescindir o contrato.

No entanto, o prefeito bolsonarista contratou transporte alternativo para enfraquecer a greve. E a prefeitura passou a operar ônibus cobrando a passagem de 3,70, o mesmo cobrado pela Viação Rocio, enquanto procurava vencer os trabalhadores pelo cansaço. Porém, diante desta indefinição, num “jogo de empurra” entre empresa e prefeitura, os trabalhadores começaram a questionar o prefeito porque ele não estatizava a empresa e passava a operar o transporte, o que se mostrou perfeitamente possível durante o impasse.

Foi desta forma que a reivindicação pela estatização do transporte, com extinção da tarifa, criação de uma empresa pública e absorção dos trabalhadores como servidores, que o prefeito rapidamente, juntou-se aos vereadores e a empresa para fazer um “estudo técnico” para aprovar o subsídio, que foi aprovado na semana passada.

Ou seja, em menos de um mês de greve, os trabalhadores rodoviários de Paranaguá, conseguiram através da sua mobilização, mostrar que o caminho para resolver a situação do transporte, expulsar o monopólio privado e acabar com a relação promíscua entre prefeito e patrões na cidade, é a estatização e controle social do transporte. Apesar de ter sido encerrada com a permanência deste mesmo monopólio, este aprendizado permanecerá não apenas com a categoria, mas com todos os que viram a maior greve da história dos rodoviários.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas
Send this to a friend