As “Fake News” das ciretes sobre Ciro Gomes – Polêmica com O Cafezinho

CIRO-GOMES

O termo imperialista “fake news” tomou conta da discussão na internet, toda a vez que alguém publica uma crítica contra um candidato, quem critica é acusado de espalhar “notícias falsas”, tornaram crime criticar, e transformaram o Judiciário no Ministério da Verdade das eleições.

As ciretes, assim foram apelidados os apoiadores do golpista Ciro Gomes, estão entre os que mais acusam os meios de comunicação de propagar notícias falsas, toda a vez que a notícia é desfavorável ao candidato.

O blogueiro Miguel do Rosário, editor d’O Cafezinho, que está entre um dos mais eminentes defensores de Ciro, publicou um artigo, entitulado “As fakenews de setores do PT contra Ciro Gomes”, de crítica ao Partido dos Trabalhadores (PT), ao Partido da Causa Operária (PCO), e até à própria candidatura de Lula.

Este artigo destina-se a desfazer confusões propagadas pelo blogueiro e pela campanha de Ciro Gomes, que se assemelha em método, e as vezes em conteúdo, à de Bolsonaro.

Quando se trata de notícias falsas nas eleições é preciso dizer que quem mais propaga notícias falsas é o próprio Ciro Gomes, sobre ele mesmo, em favor dele mesmo, e contra todos que os criticam, como é o caso do PCO e, neste momento, até do PT.

A 1ª notícia falsa sobre Ciro Gomes: ele é de esquerda e contra o golpe

A máquina de propaganda tenta a todo custo transformar um claro representante da burguesia e do golpe em figura antigolpista, e a consciência esquerdista desta máquina diz que é preciso uma frente ampla, de “centro esquerda”, em torno deste homem. Antes de tratar da Frente Ampla, é preciso acabar com a notícia falsa de que Ciro Gomes seja progressista.

No último período Ciro faz um esforço para parecer progressista, filiou-se ao PDT, diz-se socialista democrático, diz o que precisa dizer, pois ele é o típico demagogo, diz o que o auditório quer ouvir, faz o que os seus patrocinadores querem.

Ciro dá declarações contraditórias, ou seja, enganosas, ele uma vez disse que se Lula “fosse vítima de uma prisão arbitrária” ele se voluntariaria para “levá-lo a uma embaixada”, quando este momento chegou ele disse que Lula não é preso político, nada fez ou reconheceu a arbitrariedade patente. Levando isso em conta, para desmitificar a 1ª notícia falsa, é preciso ver o que ele fez e não o que disse, pois nunca se acredita em “conversa de político”, muito menos no Brasil.

Ciro foi do PSDB, aliado de Tasso Jereissati da ala mais reacionária do partido, chamou voto em FHC contra Lula, isso não é acidente, estava patente o que seria o governo de FHC. Ciro ficou contra a greve de petroleiros que ia começar em 1994, chamou-a de “corporativismo fascista”.

Seu economista hoje diz “é ótimo privatizar estradas e aeroportos”, não se propõe a revogar as reformas, diz que elas são necessárias.

Diz que está disposto a governar com o PSDB, mas chama o PMDB de quadrilha, vai entender…

A 2ª Notícia Falsa sobre Ciro Gomes: é preciso governar com os golpistas para poder derrotar o golpe

O blogueiro Miguel, em seu artigo, cria um mundo paralelo, por culpa de Ciro. Ciro declarou-se disposto a coligar-se com o DEM e o PP, “desde que antes seja feita aliança com o PCdoB e o PSB”, a segunda parte é para justificar a 1ª. Ele diz que com o PCdoB e o PSB teria “hegemonia moral”, com o PSB que votou em Aécio no 2º turno, e lançou Marina Silva no 1º turno. Além do PCdob, que apesar de ser um antigo partido de esquerda, é conhecido pelo seu fisiologismo.

Ciro criou um problema com a declaração, a máquina agora têm que propagar falsidades para justificar.

A máquina de propaganda cirista diz que sem os partidos de direita seria impossível vencer o golpe, que Lula fez o mesmo antes e o mesmo seria necessário agora.

A verdade é que, mesmo com apoio do próprio Lula, uma vitória de Ciro com apoio do PP, DEM e a tão prometida conversa com o PSDB, seria não uma derrota do golpe, mas a sua vitória suprema, pois golpe teria sido “eleito” com o voto da esquerda.

Seria um governo apoiado em bancadas golpistas, mas com um cabeça golpista, tendo então 2 diferenças fundamentais com os governos do PT.

A 1ª é que os governos petistas eram fruto da tentativa de conciliar um presidente popular com um congresso dominado pela burguesia golpista, então o PT se aliou à ala mais nacional da burguesia, mas não é o que propõe Ciro. Ciro quer se aliar à ala mais imperialista da burguesia, o PSDB e o DEM, que não são fisiológicos, são o núcleo duro do golpe, o PMDB foi apenas a correia de transmissão, o centro dinâmico do golpe foi o PSDB e o DEM, o imperialismo, o PMDB apenas concordou em fazer o jugo sujo.

A 2ª é que se trata de um presidente do povo, no caso do PT, e de um presidente da burguesia no caso de Ciro, o primeiro é um governo que tenta conciliar o povo com a burguesia golpista, o outro é simplesmente um governo da burguesia golpista.

É preciso notar que o método da coalizão com a direita terminou na queda de Dilma. Repetir as mesmas ações e pensar que sairão resultados diferentes é a definição de insanidade. Muitos já colocam a necessidade de governar sem a direita, sustentar o governo de Lula na luta, e é esse o caminho correto. Pois um governo que se apoia na mobilização do povo na rua, nas fábricas, e não em meia dúzia de parlamentares corruptos, é capaz de enfrentar a Globo e o golpe.

Na Venezuela tentaram um golpe militar contra Chávez, o povo não deixou. Tentaram derrubar-lhe no voto, o povo não deixou, tentaram o impeachment contra Maduro, o povo não deixou, tentaram ensaiar uma “rebelião coxinha” o povo armado não deixou, mesmo a guerra econômica não derrubou Maduro. Lembrando que Lula é maior que Maduro e o Brasil é maior que a Venezuela.

Falar em frente com os golpistas contra o golpe é apenas para esconder que se trata de uma frente de golpistas.

A 3ª notícia falsa: o PCO não tem votos para opinar sobre as eleições

O Cafezinho, ao esgotar as defesas de Ciro, avança para desmoralizar o oponente e cita a quantidade votos do PCO como uma prova de nada sabem sobre a situação política.

Isso é um argumento tradicional da direita, “se não tem voto não pode opinar”. É preciso dizer que não é preciso ter voto para estar certo, e é possível dizer que têm voto pode errar. o PCO, com poucos votos ou não, disse que o golpe aconteceria já em 2013, lutou contra o impeachment nas ruas e se solidarizou com o PT incondicionalmente, sem nunca pedir nada em troca. Foi principal opositor à prisão de Lula, também o primeiro a denunciar o perigo, nas ruas, muitas das ações, como os três atos de Curitiba em defesa do ex-presidente Lula, colagens de cartazes, panfletagens e agitações tiveram contribuição essencial do PCO.

Isso sem contar que o partido sempre foi contra a Lei da Ficha Limpa que hoje é usada contra Lula.

Além do que, no Brasil, apenas a burguesia e o PT têm capacidade eleitoral real, as outras bancadas de esquerda, quando existem, são irrelevantes.

Não é preciso tamanho para poder opinar, pois se precisasse, Ciro deveria ficar quieto pois ele apenas detém 5% dos votos, como os defensores de Lula adoram apontar.

A 4ª notícia falsa: O PCO nunca votou em Lula

Esta comentamos a título de curiosidade, pois não é uma confusão política, é uma calúnica factual, é uma notícia falsa por excelência. O PCO sempre teve suas críticas ao PT, desde que o PCO era parte do PT, sempre teve um critério ao apoiar candidatos: apenas apoiar candidaturas da classe operária contra a burguesia. O PCO votou em Lula em 89 (mesmo estando em processo de expulsão pela mão de Lula e Dirceu), 94, 98. Em 1992 era contra que Itamar assumisse depois de Collor e defendia eleições gerais para eleger Lula, defendeu o Fora FHC e a eleição de Lula se este caísse. Mas de 2002 até 2016, é preciso dizer que a burguesia e o PT entraram num entendimento, coisa que o PCO considerava um caminho errado, portanto não deu apoio eleitoral ao PT. Mas foi a favor de propostas como o Bolsa Família, entre outras coisas positivas feitas pelo governo.

O PCO não defende o voto em Lula por uma questão de lealdade, mas por uma questão política e ideológica, é preciso unificar a classe operária sob a bandeira da luta contra o golpe, e a bandeira de luta contra o golpe é a bandeira do preso político, proibido de andar pelas ruas do Brasil, que está se transformando num símbolo da opressão golpe sobre o povo, Luís Inácio Lula da Silva

A 5ª notícia falsa (e escatológica): o PCO seria mais sectário que o PSTU

O blogueiro na sua cruzada para encontrar argumentos para atacar os defensores da candidatura de Lula chega ao ponto de dizer que o PCO, que pôs de lado sua tradicional candidatura presidencial para apoiar Lula, é mais sectário que o partido que apoiou praticamente todos os golpes de Estado no mundo, na última década, incluindo o que derrubou Dilma.

A conclusão seria isso: “Lula ou nada!” é mais sectário que “Fora Dilma!”, novamente, é difícil de acompanhar.

A 6ª e última notícia falsa (até o momento): Lula é um candidato inviável

Para a máquina de propaganda era preciso justificar o voto em Ciro, decidiram fazer isso por duas formas. Em primeiro lugar espalhar que Lula é um candidato inviável, com a ajuda da imprensa golpista é claro. Em segundo lugar com “espantalho” de Jair Bolsonaro.

Dizer que não apoiar Ciro contra Bolsonaro é deixar Bolsonaro vencer é um argumento fraudulento. Se impedirem Lula de ser candidato, se o 2º turno se resumir a este dois cidadãos é uma eleição tão fraudada quanto às da ditadura.

Os mais velhos lembram, na época da ditadura o povo não reconhecia o candidato de “oposição”, pois ele raramente ganhava e pois ele também era da ditadura. Se for entre Ciro e Bolsonaro o povo tem que denunciar a fraude, não endossar nenhum dos dois candidatos golpistas e lançar um ataque furioso contra o presidente ilegítimo que for eleito.

Quando as instituições criam uma escolha impossível para o povo, o povo deve romper com as instituições e mobilizar de forma revolucionária, nunca se curvar diante da vontade do golpe.

A 2ª parte é extremamente reacionária, pois é descaradamente a política da Globo. Lula foi condenado para não ser candidato. Mas mesmo assim, legalmente, ele pode ser candidato. Ele tem mais votos que todos os outros candidatos juntos. Aceitar que o golpe barre o candidato mais popular é aceitar eleições fraudadas. Eles escondem que aceitar o golpe contra a candidatura de Lula não é a única escolha. É possível lutar pela sua candidatura, lutar nas ruas, lutar como luta o povo na Venezuela, lutar nas fábricas, lutar com a CUT, lutar com o MST. Fazer como os bancários do Banco do Brasil, que em seu congresso aprovaram com estrondosos aplausos: Lula ou nada!

É possível unificar a esquerda contra o golpe, mas como bem disseram vários militantes do PCdoB, do PT e outros, o nome da unidade na luta contra o golpe é a mobilização revolucionária por Lula presidente.