Fraude
A questão do negro não vai ser resolvida através de mais um processo eleitoral fraudulento, inclusive, tão ou mais do que os realizados durante a ditadura militar.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
cabina
Cabine de votação. | Foto: Reprodução

As eleições de 2020 estão marcadas como uma das mais controladas pela burguesia, seja pelo controle interno, dentro da Justiça Eleitoral, seja pelo controle da propaganda, da imprensa golpista, e dos candidatos, de conjunto. Não existe campanha de verdade, o que existe é uma ditadura disfarçada de eleição.

A esquerda, ao contrário do que se poderia pensar, simplesmente “esqueceu” que o País sofreu um golpe de Estado, que o ex-presidente Lula está sem direitos políticos e que a direita está tomando conta da quase totalidade do Estado, a começar pelo Executivo nacional, na pessoa do representante da repressão, Jair Bolsonaro. 

Dentro desse cenário, as candidaturas da esquerda que não colocam esse problema estão fazendo apenas demagogia e um teatro eleitoral asqueroso, sem levar adiante as reivindicações centrais do povo trabalhador, nem falar da questão do negro.

Até aqui, tudo que se viu foram as palmas para o Magazine Luiza, por ter cotas para seus cursos de executivos, ou o apoio ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), quando este determinou as cotas raciais em 2022 nas eleições e a obrigação de distribuição do Fundo Eleitoral, em 2020, proporcional às candidaturas negras.

Tudo isso é apontado como uma “grande vitória”, que são passos “fundamentais” da luta do negro. Quando, na verdade, não passa de demagogia, no caso da Magazine Luiza, e de puro cinismo do TSE, que é uma corte abertamente ditatorial, não eleita, e uma das signatárias do golpe, e responsável por tudo que o Brasil está sofrendo nas mãos da direita.

Mesmo para organizações minimamente democráticas (sem falar das revolucionárias) não é possível esperar que a eleição resolva o problema do negro, porque até agora, não resolveu. A esquerda busca fazer uma campanha individual, tipicamente burguesa, de que um determinado fulano vai resolver os problemas do negro, da mulher, do povo etc.

A questão do negro não vai ser resolvida por meio de mais um processo eleitoral fraudulento, inclusive, mais tão ou mais fraudulento que os realizados durante a ditadura militar. Pelo contrário, a tendência dessas eleições é fortalecer, no Executivo e Legislativo municipal, o poder dos bolsonaristas, justamente os inimigos do povo negro.

A participação eleitoral só teria esse sentido: de denunciar o golpe de Estado, fazer propaganda das reivindicações do povo, como o fora Bolsonaro e buscar organizar o povo para lutar contra o regime repressivo, por direitos democráticos, contra os ataques da direita.

Outra questão fundamental é a luta contra o encarceramento em massa, defendido pelos golpistas, pela direita. Nenhum candidato, à exceção do PCO, coloca a questão da necessidade de libertar os presos brasileiros, pelo único fato de que a cadeia é um campo de concentração, o que mostra o conluio dos candidatos com outro inimigo do povo negro: o sistema penal.

A única forma da situação do negro mudar, mesmo que minimamente, é através de um programa de luta, de mobilização da população negra em torno de suas reivindicações fundamentais, como, especialmente agora, a dissolução da Polícia Militar, tão dileta dos poderosos e bolsonaristas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas