Censores contra a censura?
Ministra do Supremo fala uma coisa e faz outra
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Rio de Janeiro - A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia faz conferência sobre o tema: Brasil para a Paz, no Tribunal de Justiça do Rio (Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Ministra golpista defende o combate à censura e o respeito à democracia |

Na segunda-feira(4), o Supremo Tribunal Federal realizou uma audiência pública com o objetivo de debater o decreto de Bolsonaro a respeito da transferência do Conselho Superior de Cinema do Ministério da Cidadania, que acumulou a antiga pasta de Cultura, para a Casa Civil. Criado em 2001 com a responsabilidade de estimular a presença do conteúdo brasileiro no mercado cinematográfico, o Conselho tem o objetivo de aprovar diretrizes com o intuito de desenvolver a indústria e ser responsável por formular a polícia nacional de cinema.

A reunião foi convocada pela ministra Cármen Lúcia, relatora de uma ação movida pelo partido Rede Sustentabilidade que afirma que o decreto tem o intuito de esvaziar o Conselho Superior de Cinema e, dessa forma, censurar a produção audiovisual no País. Estavam presentes o cantor Caetano Veloso, o cineasta Luiz Carlos Barreto entre outros atores e atrizes e representantes do governo.

De acordo com Carolina Kotscho, presidente da Associação Brasileira de Autores Roteiristas (Abra), “Seja por meio de censura, filtro ou curadoria, é inadmissível e ilegal que o poder público determine ações que, de qualquer maneira, possam limitar, direcionar ou restringir a liberdade de criação e de pensamento de artistas, intelectuais, jornalistas, professores e cientistas”, afirmou.

No início da audiência, a ministra Cármen Lúcia fez questão de ressaltar que o objetivo do debate ali proposto era dar uma “visão aprofundada, técnica” aos demais ministros do Supremo para que eles tivessem um conhecimento específico a respeito do tema. Para ela, “o exercício da liberdade está posto na Constituição, e eu lembraria que a Constituição preserva o que todos os senhores aqui falaram: a dignidade humana como princípio fundamental da República Federativa do Brasil pela primeira vez de maneira expressa no artigo 1º”.

Durante a audiência pública de segunda-feira, a ministra golpista também afirmou que “Eu li que este STF, nesta tarde de hoje, iria rebater a censura no cinema. Errado. Censura não se debate, censura se combate, porque a censura é manifestação de ausência de liberdades. E democracia não a tolera”.

No entanto, esta mesma ministra, que fala aos colegas a respeito de exercício da liberdade e respeito à Constituição, é a mesma que recusou a colocar a prisão em segunda instância na pauta do STF por várias vezes e negou a concessão do habeas corpus ao ex-presidente Lula permitindo a sua prisão inconstitucional, arbitrária e ilegal e evidenciando um processo de perseguição política ao ex-presidente. Isto evidencia que apostar em censores do STF contra a censura não passa de uma ilusão por parte de um determinado grupo de artistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas