Menu da Rede

Biden, o pior inimigo dos imigrantes

Quem com tucanos anda, ...

PCdoB se reúne na sede do PSDB para sabotarem o dia 24/07

PCdoB e sua central sindical, CTB, fazem papelão ao reunirem-se com a direita em sede do PSDB em SP.

Imagem do ato de fusão de PCdoB e PPL. – Foto: Reprodução

Na última segunda-feira (12), dirigentes de PSDB, PCdoB, PDT, PSB, Cidadania, Força Sindical, UGT, CTB e CSB reuniram-se no diretório municipal do PSDB, em São Paulo, para discutir como infiltrar a direita, especialmente o PSDB, nos atos.

A primeira tentativa foi em 3 julho, quando tais partidos convidaram a direita para participar dos atos. A operação foi um fracasso: os ditos “militantes” da direita foram removidos da manifestação por militantes da esquerda, de vermelho. O fato gerou grande repercussão.

As redes sociais brasileiras dividiram-se em dois grupos. O primeiro, mais numeroso e composto por militantes comuns da esquerda, saudaram a bravura dos que colocaram a direita para fora do ato. O segundo, composto pela burguesia e por elementos das burocracias partidárias e sindicais, pedia “diálogo”. Mas que diálogo pode haver com o PSDB? Com o PSDB do golpe de 2016? Com o PSDB das privatizações? Com o PSDB que apoiou Bolsonaro em 2018? Com o PSDB que controla a PM de São Paulo, a que mais mata pobres no Brasil?

Que o PSDB é um partido que não vale um tostão furado, todo mundo sabe e não é necessário expor aqui um tratado sobre assunto. Porém, os menos atentos acharão que os tucanos estão sendo apoiados por grandes nomes da esquerda. Isso é falso.

O PDT recentemente cometeu diversas traições ao povo brasileiro. Basta ver o caso do marco legal da água no Brasil, onde a bancada pedetista votou a favor da privatização da água em um dos países com a maior bacia hidrográfica do planeta. Cabe lembrar também o papel bizarro de outros pedetistas, como Tabata Amaral, que votou a favor da reforma da Previdência. O partido do falecido Leonel Brizola tornou-se uma caricatura bizarra. Um partido de aluguel, que serve de “manto esquerdista” para funcionários da burguesia como Ciro Gomes e Tabata Amaral.

O PSB e o Cidadania são partidos golpistas por excelência. Ambos apoiaram o golpe de 2016, assim como o PSDB. Em São Paulo, tanto PSB quanto Cidadania são sublegendas dos tucanos, utilizados estrategicamente para tirar votos da esquerda ou ganhar eleições onde a população abertamente rejeita o PSDB.

Sobre as tais centrais sindicais que participaram da reunião, é necessário frisar que, em sua maioria, são apenas organizações pelegas feitas para enganar os trabalhadores. Força Sindical e UGT, por exemplo, são os elementos mais pelegos do sindicalismo brasileiro. Além de apoiadoras do golpe de 2016, Força Sindical e UGT sempre tiveram como trabalho desmobilizar as pessoas. Durante o governo Temer, Paulinho da Força e Ricardo Patah, dirigentes máximo de Força Sindical e UGT respectivamente, abertamente sabotaram uma greve geral pelo “Fora Temer” que estava agendada para 30 de junho de 2017. O trabalho deles, desta vez, é desmobilizar, mais uma vez, os trabalhadores.

Sobre a CSB não é muito difícil ver sua real caracterização. Inicialmente, é uma central do “verde-e-amarelo”. Dentre seus sindicatos afiliados, destacam-se, principalmente, os sindicatos de policiais rodoviários e policiais civis, categorias bastante ligadas à direita.

O que se vê aqui é claramente uma reunião da direita. E pior, a ala mais golpista da direita.

A única dúvida que resta é: o que o PCdoB e a CTB estavam fazendo lá?!

A resposta é simples: estavam fazendo a falida e odiada política da frente ampla.

Os “frente-amplistas” foram derrotados em todas as suas tentativas de se imporem em organizações como a Frente Brasil Popular. Entretanto, isso não impediu que utilizassem outras estratégias.

A primeira, bastante manjada, é substituir o vermelho da esquerda pelo “verde-e-amarelo”. Até mesmo a mudança do nome do Partido para Movimento 65 (com verde-e-amarelo) foi fracassada e o partido mantém o comunista no nome e a cor vermelha. Mas não por vontade dos seus dirigentes, mas pela pressão de sua base.

Até mesmo no ato de 3 de julho, o que se viu foi a base do PCdoB de vermelho e não de verde-e-amarelo, como desejava a sua direção pelega.

Não conseguindo colocar o verde-e-amarelo no movimento desde o ano passado e nem conseguindo a aceitação do restante da esquerda (especialmente PT) pela frente ampla, a direção do PCdoB resolveu partir para uma abordagem mais direta. Assim, chamou, através do controle de suas organizações, a direita para os atos. Durante o ato de 3 de julho, era possível ver bandeiras da União Municipal dos Estudantes Secundaristas (UMES), União Nacional dos Estudantes (UNE) e Juventude Pátria Livre (JPL) no meio do bloco tucano.

A intenção de aliança com a direita ficou muito clara na última reunião da Frente Brasil Popular. PCdoB, UNE, Consulta Popular e CTB tentaram impor goela abaixo do restante das organizações a participação do PSDB e da direita nos atos. Entretanto, ficou claro que as parcelas mais conscientes do movimento não se dobraram a tal.

A infiltração da direita no movimento tem o claro objetivo de destruir os atos. Mas isso não se dá simplesmente por não quererem o impeachment de Jair Bolsonaro. Pelo contrário, é crível que o PCdoB queira o impeachment do presidente ilegítimo. Entretanto, o ponto aqui não é Bolsonaro, mas seu extremo oposto, Lula.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva cresce a cada manifestação apesar da falta de confiança nas pesquisas encomendadas pela burguesia. E isso é bom para a esquerda. Porém é terrível para a ala frente-amplista da esquerda.

Para que a frente ampla vingue não é possível que exista mobilização alguma, seja de direita quanto de esquerda. A frente ampla é, na realidade, a manutenção de um estado catatônico. Povo na rua é seu oposto, indica mudanças no regime. Mais que isso, na situação atual, uma esquerda paralisada, sem ir às ruas, significa um enfraquecimento de Lula e a possibilidade de um novo golpe.

Bolsonaro pode ser derrubado se assim for vontade da direita. Entretanto, a direita e os frenteamplistas da esquerda não sabem o que fazer com Lula enquanto o povo estiver na rua e a luta aquecida como nunca nestes últimos 10 anos. Por isso, a burocracia do PCdoB tenta apodrecer o movimento através de sua desmoralização completa.

De Partido que se dizia contra o golpe, agora, reúnem-se em um verdadeiro chiqueiro com os porcos direitistas. Quem com porcos anda, vive na lama.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.