Menu da Rede

Bolsonaro lança Programa Habitacional: Minha Casa, Minha Milícia

  • Capa
  • Artigo
  • Para fazer crescer o movimento é preciso ir aos trabalhadores

É hora de ir às fábricas!

Para fazer crescer o movimento é preciso ir aos trabalhadores

Com isto feito, qualquer política como a da frente ampla, que defenda os interesses do regime golpista passará, mas não apenas isso, o movimento sairá várias vezes mais fortalecido

É preciso ir às ruas, em primeiro lugar as fábricas, as comunidades e aos centros urbanos, realizando fortes campanhas de agitação política, conversando com a classe trabalhadora – Reprodução

Receba o DCO no Email

As manifestações deste sábado registraram, segundo números oficiais divulgados pela Frente Fora Bolsonaro, mais de 600 mil pessoas nas ruas de todo país. Totalizando 509 atos realizados, um recorde até o momento, os atos marcaram o quarto dia de mobilização contra o governo Bolsonaro. No entanto, a campanha contra a mobilização por parte da imprensa burguesa é cada vez mais dura e é favorecida pela política paralisante das direções da esquerda pequeno-burguesa.

O vazamento de informações e a necessidade da mobilização dos trabalhadores

Em matéria lançada nesta semana, o jornal golpista Folha de São Paulo, anunciou a diminuição dos atos nacionais e declarou haver um “cansaço no público”, que mais uma vez saiu às ruas pelo Fora Bolsonaro. Segundo a imprensa golpista, que ventila informações vazadas do interior do movimento, algumas das organizações de esquerda que participam da organização da frente já estariam buscando rever o planejamento das datas com novas “estratégias” nos próximos meses.

Artigos Relacionados

A primeira informação lançada pelo jornal foi de que a convocação de novas manifestações poderiam demorar até 45 dias, ou seja, um período 3 vezes maior de espera entre este e novos atos. Além disso, a Folha afirma que “uma das ideias é marcá-lo [o novo ato] para 7 de setembro” visando uma maior “amplitude” nas manifestações e contando com o apoio oficial dos principais partidos do regime golpista, sobretudo o PSDB.

O jornal ainda fala em “risco de perda de fôlego” e vaza de maneira indiscriminada diversas informações do interior do movimento, deixando claro que os principais representantes dos partidos defensores da frente ampla fazem um serviço interno para a imprensa burguesa. A tentativa com estas matérias por parte da imprensa burguesa é criar uma campanha geral de desmobilização, e não apenas isso, no texto o jornal golpista deixa claro que seria preciso retirar a ideia que as manifestações são “petistas” e ligadas à candidatura do ex-presidente Lula.

Com esta manobra, a burguesia quer tirar Lula, ou seja, o candidato dos trabalhadores, do motor das manifestações, para abrir espaço para a infiltração de toda a direita e assim a terceira via. É o aprofundamento da campanha já iniciada no ato do dia 3, quando o PSDB foi à manifestação em São Paulo e a política do verde e amarelo por parte da burguesia e dos defensores da frente ampla aumentou de proporção.

É preciso ir às fábricas!

Toda esta campanha não passa de uma farsa, uma tentativa de tomar de assalto o movimento. As manifestações que explodem em todo país desde o fim de maio são na realidade fruto de uma grande explosão social, contrárias inclusive à política oficial da esquerda pequeno-burguesa, que até então era forte defensora da política do “fique em casa”. Estes setores pouco mobilizaram seus aparatos em todas as manifestações, e a força da explosão social foi suficiente para levar a frente centenas de milhares de pessoas nas ruas de todo país.

Partidos como PCdoB, e ainda mais, partidos da direita como PDT, que querem se colocar como responsáveis diretos pelas manifestações, nunca mobilizaram ninguém para os atos e são os principais responsáveis pelo boicote ao movimento e pela aliança com a burguesia golpista. Para fazer os atos voltarem a crescer a política correta não é seguir o que dita a imprensa burguesa, mas sim, iniciar uma forte campanha pela mobilização dos trabalhadores.

É preciso ir às ruas, em primeiro lugar as fábricas, as comunidades e aos centros urbanos, realizando fortes campanhas de agitação política, conversando com a classe trabalhadora nas ruas e convocando para as manifestações. Esta política não foi feita em lugar algum desde o início das manifestações, com exceção de alguns setores da CUT e do PCO, e é extremamente necessária para o fortalecimento dos atos. Com as categorias mobilizadas, a manifestação ganha corpo e a direita fica inviabilizada de se infiltrar nos atos como tenta hoje fazer.

Apenas com esta campanha a população brasileira pode ser de fato mobilizada. Além disso, é preciso também levar a frente a organização de uma greve geral dos trabalhadores. Na matéria, a Folha de São Paulo ataca esta ideia em nome da “unidade”, contudo, não há unidade possível com nenhum golpista. O PSDB nem sequer defende o Fora Bolsonaro, e a terceira via nada mais é que a representação dos principais interesses do golpe de estado. A frente de luta deve ser feita junto aos trabalhadores, com um programa de luta que vise por abaixo todo regime golpista e defender Lula Presidente.

Pelo fim das operativas, por plenárias de trabalhadores em todo país!

A greve geral será um importante passo para este movimento, mobilizando todas as categorias. Contudo, o movimento precisa também quebrar com a existência das chamadas “operativas” que de maneira secreta decidem o futuro da mobilização popular. O vazamento de diversas informações por parte da Folha de São Paulo apenas demonstra a quem serve toda esta organização.

Para o movimento se desenvolver é necessário abri-lo as camadas populares e permitir que os trabalhadores intervenham na sua organização. Não há como o movimento se sustentar por reuniões secretas extremamente antidemocráticas, é preciso passar a realizar plenárias em todas as cidades, reuniões nos bairros populares e nas categorias, organizar uma verdadeira participação dos trabalhadores no movimento.

Com isto feito, qualquer política como a da frente ampla, que defensa os interesses do regime golpista passará, mas não apenas isso, o movimento sairá várias vezes mais fortalecido e a população em plena mobilização política. Não há como mais restringir o movimento a um pequeno número de burocratas, a população precisa ser ouvida e participar assim ativamente na organização da mobilização, pois a aliança com a burguesia levará a derrota do movimento, contudo, a aliança com os trabalhadores levará a derrubada do regime golpista.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.