Menu da Rede

20211024150250 1635096648042 1 1 (1)

Cristiano Ronaldo chuta jogador. E se fosse Neymar?

Claudio Corbo

Professor, geógrafo e mestre em Ciência Política.

Para eles tudo.

Os donos do mundo

Perto dos verdadeiros terroristas, o Talibã é um aglomerado de santos imaculados.

Desigualdade social. – Foto: Reprodução

Receba o DCO no Email

Para eles, tudo, para nós, o que sobrar.

O presente escrito trata das forças imperialistas atuais, não na perspectiva de Estados-Nações, mas lança um olhar sobre os grupos de poder que realmente mandam na maioria dos governos mundiais e decidem a agenda geopolítica do planeta.

Caros leitores, imaginem que as riquezas do mundo sejam uma pizza dividida em 10 fatias e existam 100 pessoas com fome. Uma pessoa devora 9 fatias da pizza e as outras 99 pessoas lutam pelo último pedaço, não só entre elas, mas também com o guloso que anseia a pizza inteira. A metáfora criada sintetiza a desigualdade social no capitalismo imperial. O Brasil está entre os países com maior concentração de renda no mundo, é um país rico, onde a maioria é pobre.

Costuma-se designar esses grupos em geopolítica como elite globalista ou elite planetária.

De acordo com dados da Organização das Nações Unidas (2021), 1% da população possuem 83% de toda a riqueza mundial e apenas 6 pessoas são mais ricas que 50% da população inteira. Ou seja, a economia e a humanidade estão escravizadas aos interesses dessa minoria. Nem na acepção liberal da palavra democracia, o mundo em que vivemos se encaixaria. O controle desses poucos grupos e suas corporações não pode ser denominado de outra forma a não ser ditadura imperialista.

Alguns dos principais líderes dessa elite são os Rotschild, Rockfeller, Federal Reserve Bank de Nova Iorque, Gates, Musk, Clintons, as realezas da Inglaterra e Holanda, Richard Haass, Etienne Davignon, Henry Kissinger, família Botin, Goldman Sachs, James D. Wolfensohn, George Soros (financiador de vários movimentos identitários e ambientalistas) entre poucos outros.

Esses grupos se reúnem eventualmente para definir a agenda globalista, por exemplo, através do governo imperialista britânico criaram o relatório Strategic Trends 2007-2026, que trata sobre riscos de mercado, demografia, agricultura, economia, capital financeiro etc. Cito esse relatório para demostrar, aos leitores que quiserem acessá-lo, o quão a elite globalista expõe publicamente seus planos de dominação sobre todos nós, embora careçamos de uma análise sob a ótica marxista para compreender isso, os truques da grande burguesia mundial estão escondidos atrás de exposições “formosas” como a falsa defesa de direitos humanos, da filantropia e o tal “capitalismo inclusivo”, com conferência para ser debatido organizada pelo Papa Francisco onde participaram algumas “lideranças” mencionadas no parágrafo anterior. Ora, o capitalismo jamais é inclusivo, já que o capital sempre é exclusivo de meia dúzia.

E como essas pessoas são as mandatárias do poder por detrás dos Estados-Nações imperialistas e a maioria de nós não percebe? Simples, eles tornam as pessoas mansas, domadas e subjugadas tirando-lhes todos os direitos individuais. A manobra está em extraírem direitos dando a impressão de que somos mais livres hoje que outrora. Isso é executado com a falsa propaganda da imprensa capitalista de que todos têm acesso as tecnologias, que constituímos uma sociedade com liberdades plenas, isso sob a ditadura do identitarismo e a maçante publicidade de pseudomeritocracia.

Para analisar o mundo geopolítico no século XXI é fundamental que se tenha em mente quem são os reis e rainhas no tabuleiro de xadrez geopolítico. Porquanto, se não conhecemos nosso adversário é impossível enfrentá-lo.
A elite globalista controla o capitalismo financeiro, além de todos os recursos materiais e imateriais existentes. O problema é que esses recursos são limitados, então, para essa seleta máfia usufruir de tudo, a esmagadora maioria da população tem que viver em situação de miséria ou não mais viver.

As ideias de impor o controle de natalidade, desenvolvidas por órgãos ligados a ONU (subservientes aos donos do mundo), são impostas aos países atrasados para que eles se sintam culpados pela escassez de água e comida. Afora isso não seja verdade, também há crueldade, porque já se colocou em linhas anteriores que uma minoria controla mais riquezas que os outros quase 8 bilhões de habitantes do planeta.

Duas corporações se sobrepõem a todas as outras, a saber BlackRock e Vanguard. Ao fim e ao cabo, comprova-se que o capitalismo vive de monopólios e oligopólios, diferentemente do que seus delirantes defensores pregam.
Outros exemplos dessa desigualdade abissal entre o povo e os magnatas são: seis empresas controlam tudo que o ocidente consome de mídia, dez empresas controlam mais de 90% das bebidas e alimentos industrializados, são elas: Mondelez, ABS, MARS, Kellogg’s, General Mills, Danone, Unilever, Coca-Cola, Nestlé e Pepsi Co.
Google, AOL, Microsoft e Yahoo dominam praticamente toda internet; e quatro bancos são donos da maioria dos outros, são eles: Citigroup, JPMorgan Chase, Wells Fargo e Bank Of America.

O capitalismo em sua fase superior, o imperialismo, como explicou Lênin, mostra um rosto muito perverso, pois uns tem tudo e muitos não possuem nada. As riquezas materiais do mundo não aumentam significativamente desde o século XIX, mas a diferença entre ricos e pobres aumenta a galopes.

Haja vista que os recursos são restritos e a elite globalista sabe disso, pode-se compreender por que de tempos em tempos os donos do mundo geram uma ampla crise econômica que os torna mais ricos e poderosos e aos demais mais pobres e miseráveis. Além das guerras assimétricas para saquear Estados-Nações sob falso pretexto de “exportar a democracia” e/ou “combater o terrorismo”.

O Afeganistão, que recentemente derrotou de maneira acachapante o imperialismo estadounidense, por exemplo, possui em seu subsolo mais de 3 trilhões de dólares em minerais como lítio, cobre e cobalto. Essas riquezas naturais estavam sendo surrupiadas há 20 anos pelo império dos Estados Unidos e seus aliados. Esse latrocínio de 2 décadas, desembocava nos interesses das corporações transnacionais que ficavam com a matéria-prima, oriunda de minerais do território afegão, para produzirem suas mercadorias. Só por esse aspecto todo cidadão de esquerda ou pelo menos que se considere democrático deve bradar: viva o Talibã e o povo afegão.

Por fim, também se vive uma guerra biológica através do COVID-19 que está cumprindo seu papel: morrem pobres em escala assombrosa para os ricos ficarem mais ricos. Os 4,6 milhões de mortos, até o momento, não vão mais consumir os recursos limitados.

Perto dos verdadeiros terroristas, o Talibã é um aglomerado de santos imaculados.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.