Menu da Rede

O modernismo em murais de Di Cavalcanti

  • Capa
  • Artigo
  • Brasil já é o Chile, deve reagir como o Chile

Não à conciliação!

Brasil já é o Chile, deve reagir como o Chile

Em artigo recente, o linguista Gustavo Conde afirmou que somente o ex-presidente Lula poderia impedir uma convulsão social. A convulsão, no entanto, é uma necessidade para o povo.

Protesto no Chile. Foto: Sebastián Cisternas/Aton Chile/AFP –

Receba o DCO no Email

No dia 23 de outubro, o portal Brasil 247 publicou o artigo “Só Lula pode evitar que Brasil vire um Chile”, assinado pelo linguista Gustavo Conde. No texto, o autor afirma que o ex-presidente Lula seria a única pessoa capaz de impedir uma convulsão social no Brasil.

No início do artigo, Conde critica supostos intelectuais e ideólogos que se arrogam no direito de determinar o momento certo para que os acontecimentos políticos aconteçam.

Comentaristas, ideólogos, “líderes”, opositores acham que revolta popular é questão de timing e senso de oportunidade.

“Ah, não é hora de tomar as ruas” (como se isso fosse uma questão de ‘desejo’). “Ah, pedir impeachment é um erro”. Ah, se brasileiros forem às ruas como os chilenos, teremos o endurecimento do ‘regime”.

Ou seja: é melhor ficarmos todos quietinhos esperando a “ordem” de alguém “muito inteligente” que saberá exatamente o momento exato para “nos revoltarmos”.

De fato, não é papel de nenhuma liderança da esquerda determinar o momento em que as revoltas devem acontecer. Como disse Karl Marx:

Os homens fazem sua própria história, mas não a fazem sob circunstâncias de sua escolha e sim sob aquelas com que se defrontam diretamente, legadas e transmitidas pelo passado.

Ironicamente, no entanto, Conde se contradiz ao desenvolver seu texto. Ao tratar do caso do ex-presidente Lula, o linguista apresenta a tese de que Lula seria uma pessoa capaz de “controlar” uma convulsão social:

O Brasil está na fila da convulsão. E se isso trará generais de volta, se isso levar o país a um golpe branco ou verde-oliva, trata-se absolutamente do imponderável.

Timing se identifica, não se produz. Curiosamente, o timing histórico coloca Lula mais uma vez no olho do furacão. Ironicamente, Lula é a única chance da elite – e de todos nós -, para se evitar um banho de sangue.

Só Lula conseguirá ‘controlar’ a convulsão social que está por vir. Lula é parte estrutural da identidade de todo e qualquer brasileiro e sua presença no cenário social destruído a que o Brasil foi lançado poderá evitar aquilo que hoje se vê no Chile.

“Aquilo que hoje se vê no Chile” é uma imensa mobilização popular contra a política neoliberal. Na última sexta-feira (15), cerca de 1,2 milhão de pessoas saíram nas ruas para protestar contra o governo Piñera – sendo que o Chile tem apenas 18 milhões de habitantes, segundo os levantamentos mais recentes. O país inteiro está convulsionado após anos de uma política de massacre do povo – uma política assentada em diretrizes de uma ditadura com características fascistas e que roubou até mesmo a aposentadoria dos chilenos, levando muitos idosos ao suicídio.

A mobilização no Chile está fazendo o governo direitista de Piñera recuar e os mais variados setores da população a se unificar em torno de uma decisão: pôr um ponto final na farra dos capitalistas, que estão saqueando toda a América Latina. Esse, inclusive, é o único caminho a ser seguido: a direita já mostrou que não respeita eleições, que não se importa em matar milhões, tampouco segue qualquer lei que não seja de sua conveniência. Portanto, a única forma de os trabalhadores alcançarem suas reivindicações é por meio da força – isto é, da mobilização da revolucionária, disposta a ir até as últimas consequências para ter suas demandas atendidas.

A convulsão social, desse modo, não é algo a ser temido pelos brasileiros. Pelo contrário: a convulsão é justamente o que o Brasil precisa para ter sucesso na luta contra os golpistas. O Brasil já é o Chile – isto é, castigado pelas aves da rapina do imperialismo. É hora, portanto, de agir como o Chile – de agir como o povo chileno, de sair às ruas de maneira decidida a romper com as instituições golpistas e fazer prevalecer a vontade dos trabalhadores.

A revolta no Brasil é, além de necessária, inevitável, como aponta o próprio Gustavo Conde. E assim p é em todos os demais países. Os levantes na Catalunha, em Honduras, no Haiti, no Equador e no Chile não são coincidência, mas sim a prova de que é impossível que um povo aguente calado as torturas da política neoliberal. Se é inevitável, por que impedir, ou até mesmo “controlar” a convulsão social, conforme propõe Conde?

Se a sociedade é dividida em classes, os acontecimentos que enfraquecem um determinado polo, automaticamente fortalecem seu oposto. É impossível, portanto, que a “convulsão social” seja um evento negativo tnto para a burguesia quanto para os trabalhadores. A quem interesse controlar a convulsão e a quem interessa, portanto, levar adiante uma revolta generalizada do povo?

A revolta no Chile, que expressa, em linhas gerais, as mesmas contradições dos demais países, é, conforme dissemos, um movimento que unifica a população em torno de uma luta contra a direita. O objetivo é um só, inviabilizar qualquer governo que tente levar adiante uma política neoliberal – o que, na prática, levará inevitavelmente a um governo dos trabalhadores, que são os únicos que não têm interesse em sustentar os banqueiros. Qualquer outro caminho que drible a necessidade de uma mobilização revolucionária não é suficiente para garantir a derrota da política neoliberal – se não a burguesia não se sente ameaçada de ser violentamente derrubada, a solução será um acordo obscuro, que, no fim, manterá os representantes da direita no poder.

Se Lula de fato fosse a única chance da “elite”, segundo declarou Conde, defender Lula como um grande conciliador da convulsão social não faria o menor sentido – a menos que o linguista estivesse disposto a se colocar como conselheiro da “elite”, apontando o que seria melhor para sua sobrevivência. No fim das contas, não é esse o papel que a esquerda deve reservar a uma liderança fundamental como o ex-presidente Lula: é preciso utilizar toda a sua influência para alavancar uma política de mobilização das massas, e não de contenção de uma convulsão social.

A convulsão, afinal, é inevitável, pois ela será imposta pelas condições econômicas. Cabe à esquerda formular uma política que leve todo os setores do movimento operário e do movimento popular liderados por Lula a se chocar diretamente com o regime golpista.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.