Menu da Rede

30557767941 fffdee1069 k

Após 50 anos, Atlético Mineiro é campeão brasileiro

  • Capa
  • Artigo
  • Não é só Bolsonaro: o neoliberalismo causou a fome no Brasil

Capitalismo

Não é só Bolsonaro: o neoliberalismo causou a fome no Brasil

O problema é o regime, não apenas o presidente

O capitalismo é o principal culpado pela miséria global – Foto: Reprodução

Receba o DCO no Email

A principal responsável pelo aumento da fome no mundo, sobretudo em países atrasados como o Brasil, é a política do neoliberalismo, um conjunto de medidas políticas e econômicas capitalistas surgido no final dos anos 70 que mina a participação do Estado na economia e oferece inúmeros privilégios à iniciativa privada e ao mercado financeiro.

No Brasil, com o fim do regime militar (1985), a inflação e suas consequências (desemprego, desigualdade social, fome, desindustrialização, etc.) eram os principais problemas do país. A política neoliberal, que traria a fome e miséria crônicas no país, começa com o governo do playboy  Fernando Collor de Melo (1990-1992), que inicia a abertura do mercado nacional com privatização de estatal, redução de investimento público, confisco da poupança, inflação exponencial, mudança de moeda e das leis trabalhistas (Plano Collor), que geraram muito desemprego, desespero, fome e suicídio no país.

Se já não bastasse tanto sofrimento cometido contra o povo brasileiro nesse período, a burguesia entreguista do país consolidou essa política neoliberal com o nefasto governo de Fernando Henrique Cardoso (1994), que se aproveita de uma estabilidade financeira com o Plano Real (iniciado no governo neoliberal de Itamar Franco) e vende a preço de banana boa parte das estatais do Brasil, relegando o Estado à fajuta condição de regulador de suas riquezas, agora fortemente exploradas pelos grandes capitalistas estrangeiros.

O Estado brasileiro deixa de vez a função de administrador dos recursos nacionais para ser regulador, cuja consequência será desemprego e muita fome para a população. No governo FHC cerca de 300 crianças morriam de fome por dia! Esses dados foram divulgados na época pela própria Rede Globo, emissora golpista e a serviço desse regime de fome. Os capitalistas roubaram as riquezas e o futuro das crianças no Brasil para isso: relegar o país a uma condição de colônia com seu povo passando fome  e miséria.

Enquanto o governo FHC entregava as estatais de telefonia (Telebrás, Telerj, Telemig, etc.), os bancos (Banerj, Banestado, Banespa, etc.), as siderúrgicas (Vale do Rio Doce e CSN), aplicava a redução do funcionalismo público e a terceirização, todas essas práticas corriqueiras do neoliberalismo, a população morria de fome. O discurso mentiroso para sustentar esse modelo era o de que o Estado-regulador teria mais condições de trabalhar em prol da população com a venda das estatais.

A situação era tão calamitosa ─ em toda a América Latina ─ devido à implementação da política neoliberal, que o povo iniciava um movimento de explosão social. Antes que isso ocorresse, a burguesia foi obrigado a fazer um pacto com Lula e o PT para amenizarem a situação, sem abrir mão de seu poder político e econômico.

Isso permitiu uma redução das tensões sociais, com alguns programas de distribuição de renda e contra a fome, mas mantendo a aplicação das políticas neoliberais. De fato, nem Lula, nem Dilma, romperam com a política neoliberal ─ isso só seria possível através de amplas reformas sociais pressionadas pela classe trabalhadora organizada.

Mas a crise de 2008 faz com que o imperialismo revisse sua política para o Brasil: para garantir os lucros dos capitalistas, seria preciso ampliar a níveis estratosféricos a espoliação do povo brasileiro e, para isso, seria necessária uma política neoliberal “puro sangue” ─ coisa que o PT não tinha condições de realizar. Dilma teve seu mandato roubado e Lula, sua liberdade ceifada. O golpista Michel Temer (MDB) abriu completamente os cofres para os parasitas de costume e a fome voltou a assombrar o país em níveis que não se via há décadas.

Esse é o  neoliberalismo que está fazendo a fome chegar a mais de 42 milhões de pessoas na América Latina e Caribe, segundo a ONU ─ no Brasil, 120 milhões estão prestes a entrar nessas estatísticas.

Michel Temer e Jair Bolsonaro (sem partido) aprofundam essa crise e aumentam de forma exponencial a miséria no Brasil, onde empresários estão vendendo carcaças de peixe e carne, numa violência e insensibilidade revoltantes e desumanas.

Jair Bolsonaro, cujo governo jogou mais de 2 milhões de famílias na extrema pobreza, é o aprofundamento de toda essa política criminosa do neoliberalismo, que deve ser combatida pela classe operária ─ no entanto, é apenas o resultado das manobras dos banqueiros e grandes capitalistas, os mesmos que tutelaram os governos da direita e que pretendem colocá-los novamente em voga a partir de 2023.

A tendência, com Bolsonaro ou a terceira via no governo, é vermos a fome e a miséria tornaram-se cada dia mais insuportáveis, enquanto o capital financeiro rouba o patrimônio da população.

Só com muita luta da classe operária, nas ruas, poderemos derrotar Bolsonaro e impor um governo dos trabalhadores para reverter as privatizações, diminuir a jornada de trabalho para 35 horas semanais, elaborar um programa de distribuição de renda radical, estatizar a economia para gerar emprego e fazer a reforma agrária para garantir a alimentação do povo e reconstruir o Brasil.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.