Menu da Rede

ex ministro sergio moro durante discurso de filiacao ao podemos 0

Moro vai para as eleições com o objetivo de sabotar Lula

  • Capa
  • Artigo
  • Especuladores mantêm auxílio para os famintos como refém

Ganância dos bancos

Especuladores mantêm auxílio para os famintos como refém

Contra o povo miserável, os representantes dos bancos tentam impedir o ínfimo auxílio proposto pelo governo, que busca lucrar eleitoralmente com a desgraça da população.

Bolsonaro e Guedes em declaração à imprensa na sexta-feira. – Foto: Clauber Cleber Caetano/PR/Fotos Públicas.

Receba o DCO no Email

Uma coisa que não faltou no governo Bolsonaro foram crises políticas no interior da burguesia. O candidato improvisado para impedir que o PT voltasse ao governo federal dois anos após o golpe de 2016 vem acumulando atritos com os setores mais importantes da classe dominante. A disputa em torno do auxílio emergencial é mais um capítulo dessa história.

Auxílio emergencial e eleitoral

Da parte do atual e ilegítimo presidente, a estratégia de adotar medidas de apelo social a cerca de um ano das eleições é natural e não causa surpresa nenhuma. Nada de novo na política burguesa, que o diga João Doria em São Paulo. Diante da miséria que atinge milhões de brasileiros atualmente, esse auxílio de 400 reais tende a garantir um enorme contingente de votos em 2022.

É importante já destacar que esse valor passa muito longe do que seria digno destinar à população mais carente de recursos nessa crise. Segundo levantamento do próprio governo esse auxílio comprometerá apenas 30 bilhões do orçamento anual, uma quantia magra diante do orçamento federal e da pornográfica fatia que vai para os parasitas do sistema financeiro.

O grande problema dessa manobra do governo Bolsonaro para a burguesia é que fará o Estado gastar com o povo. Isso é inaceitável. Num cenário onde a burguesia já estivesse unificada no apoio ao atual mandatário, o governo faria apenas o que lhe cabe na democracia burguesa dos dias de hoje: repassar o máximo possível do dinheiro arrecadado na sociedade para os bancos. Mas Bolsonaro sabe que não é a opção preferencial e tenta se garantir como pode.

O teto de gastos

A discussão sobre o criminoso teto de gastos veio à tona nessa discussão, pois o montante destinado ao auxílio emergencial extrapolaria esse limite. Não é por acaso que essa medida foi apresentada ainda em 2016, no governo golpista de Michel Temer com Henrique Meirelles na economia.

Sob o conhecido e recorrente argumento do “controle das contas públicas” e mirando um baixo nível da taxa de juros Selic, o governo que herdou o Brasil no golpe de Estado assinou um compromisso com o capital financeiro que transformou em lei não investir o dinheiro do povo em serviços para o próprio povo. Nada mais ilustrativo de como funcionam as “democracias” no capitalismo.

Se trata de um estrangulamento dos investimentos públicos, que limita o crescimento de uma enorme porção dos gastos públicos à inflação do período anterior. Uma medida violentamente neoliberal, que inviabiliza novos investimentos de interesse público e amarra os governos futuros a esse arrocho.

O tortuoso governo do Chicago Boy

Colocado no Ministério da Economia para tutelar o governo Bolsonaro e garantir o pacote neoliberal, Paulo Guedes vem apresentando dificuldades para realizar as tarefas para as quais foi enxertado no governo. As disputas entre os setores da burguesia que apoiam o bolsonarismo e aqueles que tentam uma estabilização do golpe de 2016 têm feito o Chicago Boy oscilar entre posições e não satisfazer a contento os tubarões do capital financeiro.

Constantemente ameaçado de substituição no ministério, Guedes adota medidas impostas pelo presidente e desagrada aqueles que o colocaram como garantidor dos seus interesses nesse governo. O pregador neoliberal tem desagradado o “mercado” por não reduzir ao mínimo os gastos públicos e não conseguir privatizar com mais velocidade os patrimônios públicos.

O veto da burguesia a Lula

Outro assunto que vem à tona diante dessa briga interna da burguesia é o fator Lula nas eleições. Setores da esquerda pequeno-burguesa, pretensamente radicais, têm propagado insistentemente que Lula é o candidato da terceira via, ou seja, a pessoa que tem o apoio dos setores mais importantes da burguesia.

Ora, se um auxílio tão miserável como o proposto atualmente já encontra enorme resistência e produz uma crise ministerial num governo de direita, como é possível imaginar que Lula viveria um governo tranquilo?

Para não perder completamente sua base política, Lula teria que no mínimo fazer mais do que Bolsonaro no que diz respeito a programas sociais. No mínimo. Independentemente da postura conciliadora e moderada de Lula, seu mínimo possível já é demais para a burguesia em meio à crise econômica mundial.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.