HAMBURGUER_1
SHARE

A CUT precisa convocar a mobilização nos bairros operários

Anterior
Próximo

Democracia imperialista

Luta contra extremismo exclui esquerda das eleições alemãs

Extrema-direita do Alternativa para Alemanha (AfD) foi usada para histeria que se volta contra comunistas e anarquistas, impedidos de participar das eleições no país

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

“Refugiados, não venham” diz a mensagem de apoiadores do AfD. Luta acrítica contra fascismo virou armadilha contra esquerda – Foto: Sascha Schuermann/Getty Images

Com as eleições para o “Bundestag“, o Parlamento alemão, marcadas para o próximo 26 de setembro, o Comitê Eleitoral Federal da Alemanha reuniu-se no último dia 8 para organizar o processo eleitoral, o que inclui definir quais partidos, entre os 87 legalizados, poderão disputar as 598 cadeiras parlamentares, tendo como critério o desempenho nas eleições gerais de 2017. Profundamente anti-democrático em condições normais, o mecanismo tornou-se uma ameaça mais grave à livre organização política dos trabalhadores germânicos graças à decisão do Comitê, que excluiu o Partido Comunista Alemão (DPK na sigla em alemão) na eleição de setembro. Além deste, outro partido de esquerda foi tirado das eleições, o Partido Anarquista da Alemanha (AAPD).

Ao contrário do Brasil, onde o setor judicial da burocracia controla inteiramente o processo eleitoral, o Comitê Eleitoral Federal da Alemanha é composto por dois juízes junto aos oito partidos com mais cadeiras no Parlamento, entre os quais o Partido Social Democrata (SDP) e o Partido de Esquerda (LINKIE). Utilizando como base a famigerada cláusula de barreira, mecanismo que limita a representação popular conforme a quantidade de cadeiras conquistadas na eleição anterior, os partidos precisam conquistar no mínimo 5 cadeiras no parlamento para escapar desta repescagem a que foram submetidos o DPK e o AAPD.

Manobra burocrática

Segundo o comissário do Comitê Eleitoral Federal, Georg Thiel, a proscrição do Partido Comunista se deu por questões de ordem burocrática. “Prazos são prazos”, justificou Thiel conforme declaração repercutida pelo Deutsche Welle (DW), um dos principais órgãos de imprensa do imperialismo alemão (“German election officials exclude communists, anarchists from September vote“, 9/7/2021).

A matéria do DW não entra no detalhe de qual prazo teria sido perdido, sequer menciona qual ou quais problemas estariam ocorrendo com o registro da chapa dos partidos, limitando-se a destacar o fato de serem pequenos no caso dos comunistas e terem propostas que fogem ao senso comum no caso do partido anarquista, caracterizando-os como meras excentricidades e declarando por fim que os “socialistas alemães tendem a votar em partidos de esquerda mais moderados” (idem) para justificar a exclusão dos partidos. Contudo, o sítio People’s World destaca problemas com documentos contábeis do partido comunista. Enquanto o DW limita-se a repercutir uma declaração do Secretário-Geral do DPK, Patrik Köbele, de que recorreria contra a decisão, o People’s World apresenta um posicionamento mais crítico:

“Nós, comunistas, estamos familiarizados com isto”, disse o dirigente, lembrando ainda que “em 1933, o Partido Comunista foi banido pelos fascistas e em 1956, por [Konrad] Adenauer [chanceler pela CDU, partido da atual chanceler Angela Merkel]. É temerário que isso ocorra novamente em 2021, por meios burocráticos” (“Election officials ban German Communist Party from running candidates“, 9/7/2021, Uli Brockmeyer, People’s World).

A matéria supracitada do DW diz que é a primeira vez, desde os anos 1960, que o Partido Comunista é excluído da eleição porém, como lembrado por Köbele, o partido vem de uma reorganização da militância após o banimento do KPD (acrônimo alemão para Partido Comunista da Alemanha), ocorrido em 1956. À época, mesmo sob um regime “democrático”, governado pela CDU, muitos comunistas enfrentaram o mesmo padrão de perseguição verificado durante o período nazista, com processos farsescos e prisões de militantes. Finalmente em 1969, o partido seria reorganizado adotando o nome atualmente em uso, o que não exclui uma linha direta entre o antigo KPD e o atual DPK, tornando a informação dada pelo DW uma meia-verdade, com muita boa vontade.

Quem perde na luta contra os intolerantes?

Embora mais democrático que o modelo brasileiro, 100% burocratizado, o controle do processo eleitoral por poucos partidos mostra-se sensível à crise que aflige o regime burguês. Embora seja até o momento o mais estável entre os países imperialistas, manobras golpistas como a verificada demonstram que mesmo na Alemanha, a crise do regime capitalista é imensa, tornando-o cada vez menos capaz de conviver direitos democráticos mínimos quando estes atendem a classe trabalhadora.

Igualmente importante de se destacar é o caminho indicado pela vertente alemã da política de apaziguamento da polarização, que no país faz uso do nazismo e da força crescente do partido fascista Alternativa para Alemanha (AfD), usado como espantalho para justificar a “intolerância com os intolerantes”. Esta política, que supostamente defende o combate aos extremismos, convive com o AfD entre os grandes partidos que compõem o Comitê Eleitoral, mas não com os partidos mais radicais da esquerda alemã, os que sofreram as piores consequências da luta contra os intolerantes, ainda que a propaganda use os fascistas da AfD para justificar mais ataques da burguesia contra a liberdade de organização.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.