Menu da Rede

Direita nos atos, uma manobra para eleger João Doria

Anterior
Próximo

Além do "lawfare"

Repressão contra a população da África do Sul se intensifica

Mais de 210 pessoas já foram mortas durante os confrontos, além de 2500 prisões

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

População sendo presa em Johannesburg. – Foto: Kim Ludbrook/EPA

A África do Sul já conta com aproximadamente uma semana seguida de protestos, os quais, por sua vez, têm sido cada vez mais violentos, tanto por conta da revolta da população quanto da repressão policial. 

Os protestos foram desencadeados após a prisão do ex-presidente Jacob Zuma, que foi sentenciado a 15 meses de prisão por “desacato à justiça” após não comparecer a um inquérito relacionado à suposta corrupção no início deste ano.

“As pessoas começaram a invadir lojas e roubar porque queremos que o ex-presidente Jacob Zuma seja libertado”, afirmou um dos manifestantes. “Mas mesmo que o presidente faça isso, [os saques] continuarão porque também estamos com fome e precisamos de coisas para sobreviver.”

Já são mais de 210 pessoas mortas pela repressão, incluindo um garoto de 14 anos, e cerca de 2.500 prisões. Além disso, mais de 800 lojas e centros comerciais foram invadidos e saqueados pela população em revolta.

Apesar de terem começado com a prisão de Zuma, os protestos continuaram e se intensificaram por conta da situação de miséria na qual a população da África do Sul vive. Apenas 2% da população está vacinada contra o coronavírus e o número de desempregados é de cerca de 32% em números oficiais. Além disso, aproximadamente metade da população vive abaixo da linha da pobreza, sendo a África do Sul um dos países com a maior taxa de desigualdade do mundo.

Nessa situação, o presidente direitista Cyril Ramaphosa, já declarado ferrenho opositor de Zuma mesmo sendo do mesmo partido — o Congresso Nacional Africano (CNA) —, afirmou que os protestos “foram provocados, há pessoas que planejaram e coordenaram isso. Vamos processar essas pessoas. Identificamos um bom número delas. Não permitiremos a anarquia e o caos.”

Este mesmo presidente mobilizou cerca de 2.500 militares para ajudar a polícia a reprimir a população. Com o crescimento dos protestos, a repressão também aumenta: Ramaphosa agora convocou 25 mil soldados para ocuparem as ruas do país, mais especificamente das províncias de KwaZulu Natal e Gauteng, foco dos protestos.

Estes são os maiores protestos desde o fim do Apartheid, em 1990. A situação em que se encontra o país atualmente é, mais uma vez, o resultado de uma intervenção imperialista. O ex-presidente, Jacob Zuma, conta é de uma ala mais nacionalista dentro do CNA e, portanto, é alvo de perseguições desde o período de seu governo, entre 2009 e 2018. Os chamados “escândalos de corrupção”, estratégia comum da burguesia para atacar os governos nacionalistas, foram mais uma vez utilizados no caso da África do Sul.

Os “escândalos” foram usados como pretexto para a retirada de Zuma do governo, o que fez com que Ramaphosa assumisse o poder. Este, por sua vez, faz parte da ala direita do CNA, ligada ao imperialismo, fazendo com que a prisão de Zuma seja mais uma fase do golpe orquestrado pela burguesia contra a população — não coincidentemente, uma manobra bem parecida com a que vimos acontecer com o ex-presidente Lula em nosso país.

A prisão de Zuma funcionou como uma espécie de estopim para a população sul-africana. A situação de miséria do país, intensificada pelo golpe “brando” e pela pandemia do coronavírus, gerou uma situação insustentável, a qual é respondida pelo governo direitista com muita repressão e demagogia.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.