Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Após o atentado realizado pela direita fascista do Paraná contra a caravana de Lula no dia 27 de março, dando quatro tiros de revólver  nos ônibus da comitiva que levava Lula pelo interior do Estado, o caricato pré-candidato da extrema direita a presidente da República, Jair Bolsonaro, convocou seus seguidores a realizar um ato em Curitiba no dia 28 de março, no mesmo horário do encerramento da caravana de Lula.

Um típica provocação  fascista contra Lula, a esquerda e os movimentos sociais, pegando carona no fascismo financiado no Rio Grande do Sul e Santa Catarina quando a caravana passou por esses estados.

Bolsonaro e a direita fascista acreditou que a caravana de Lula seria cancelada no Paraná, depois da tentativa de terrorismo que tentaram impor sobre a militância que acompanhava Lula.

Ledo engano dos fascistas (“bolsomínios”, “MBL”, “Vem pra rua” e demais lixos que participam da criação dos grupos de extrema direita no país), a militância do PT se fortaleceu com os ataques do fascistas e promoveu em Curitiba o maior ato da caravana.

Mais de 20 mil pessoas lotaram à Praça Santos Andrade para apoiar Lula, contra sua prisão e os ataques da direita. Enquanto Bolsonaro não conseguiu sair do aeroporto, pois não conseguiu juntar mais que 100 pessoas pagas para se contrapor ao Ato do PT de Lula.

Bolsonaro e a imprensa golpista tentou valorizar o fracasso da direita, dizendo que a manifestação da direita não pode chegar perto da Praça, aonde estavam milhares de militantes da esquerda, devido o cerco que a polícia fez no local para impedir o confronto.

Quando na verdade, a polícia, em todos esses episódios, aparece na verdade para proteger os fascistas, permitindo que os fascistas provoquem à vontade a esquerda e não apanhe como merecem,  já que a direita é uma minoria diante do apoio popular que Lula possui.

O MBL, grupo financiado pelos grandes capitalistas nacionais e internacionais, tentaram realizar um ato perto da Praça Santos Andrade, para provocar a esquerda,  mas pelo número insuficiente para sequer fazer uma reunião, a polícia ajudou o MBL escoltando-os  para chegar o mais perto da Praça aonde havia o ato em prol de Lula.

Mas diante da multidão vermelha, os garotos propaganda da direita nacional tiveram que ficar a quase 1000 metros do ato, protegidos pela polícia para não apanhar com seus próprios ovos.

Os “valentões” da direita nacional, Bolsonaro e MBL mostraram em Curitiba que são como a letra da música do saudoso sambista Bezerra da Silva, ou seja,  com a escolta da polícia “é um bicho feroz” sem essa escolta “anda rebolando, até muda de voz”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas