Não é armar a população
O que o governo quer é favorecer o capital estrangeiro imperialista. Entrega tudo, até as fabricas de armas estão na mira
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
45310422671_ecf40984a0_o (1)
Bolsonaro com arminha | Foto: Jeso Carneiro

O presidente Bolsonaro, cumprindo promessa de campanha, já aprovou mais de 20 atos que facilitam o comércio, o registro, e a posse de armas e munições no país. Duas matérias do jornal Brasil 247 destacam a última ação com relação a esse assunto. 

Diz que no dia 09/12 quarta-feira, a CAMEX (Câmara de Comércio Exterior) do ministério da economia publicou no DOU (Diário Oficial da União) a inclusão da importação de armas (pistolas e revólveres) como itens isentos de tarifas de importação, com efeitos também nos países membros do Mercosul. A alíquota cairá de 20% para zero, a partir de 01 de janeiro de 2021. O presidente comemorou postando foto portando arma no twitter.

Com essa medida, a maior fabricante de armas do país, a brasileira Taurus, diz que vai priorizar investimentos nos EUA e nas futuras instalações da Índia, onde também possui fábricas. Diz que não será  muito afetada pela medida, pois os consumidores importarão das fábricas no exterior, e o mercado nacional representa apenas 15% das vendas. E que com essa medida os investimentos e criação de emprego não ocorrerão no Brasil, beneficiando outros países.

Da mesma forma que faliram a fabricante de carros de combate Engesa em 1993, que na década de 1980/90 era a principal fabricante no país, que tinha desenvolvido o tanque de guerra EE-T1 Osório, a pedido do exército brasileiro.

Depois de dois protótipos prontos e testados, o exército não se interessou em sua aquisição, deixando a empresa com uma dívida enorme e vindo a falir. Por isso tentou vender à Arábia Saudita, mas com as intervenções dos EUA, forçando a não fecharem negócios com o Brasil. Esse foi o fim da Engesa.

Na disputa pela concorrência para fornecimento de centenas de unidades à Arábia Saudita, venceu os tanques da Inglaterra e da França, se equiparando com o dos EUA o Abrams e com quesitos mais eficientes e mais baratos. Ainda tinham os carros de combate leves Urutu e Cascavel que foram muito requisitados pelos países do Oriente Médio.

Agora são a Taurus, a estatal Imbel e a CBC (Cia. Brasileira de Cartuchos) que passarão por situação semelhante, com a isenção de impostos para importação, serão beneficiadas as empresas estrangeiras imperialistas, que são as maiores produtoras de armas leves, como a brasileira Taurus. As de rifles e fuzis como a Imbel e a fabricante de cartuchos CBC que produzem no território nacional.

Está muito claro que a política do Bolsonaro, aliado dos EUA imperialista, tem como objetivo destruir a indústria nacional para importar tudo dos países desenvolvidos. Transferindo recursos e renda do povo brasileiro aos ricos países dominantes do mundo, em especial os gringos americanos.

A Taurus é a maior fabricante de armas leves, pistolas e revólveres, no país e a segunda no mundo ocidental. Estima-se que existem em circulação no Brasil cerca de 17,6 milhões de armas, a maioria de fabricação nacional, leves, e que 57% são ilegais, por falta de fiscalização das forças armadas, roubos e contrabando. Os dados são do Instituto de Altos Estudos Internacionais em Genebra, Suíça, e das ONGs Small Arms Survey, Viva Rio e Instituto de Estudos da Religião.

O povo brasileiro precisa acordar e lutar contra toda essa política de entrega do país ao capital estrangeiro imperialista. Se não começarmos logo a situação se complicará muito.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas