América Latina
Até o final do ano mais da metade da população da Argentina deve estar abaixo da linha da pobreza
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ARGENTINA
População esperando doação de comida na Argentina em abril | Foto: Reprodução

A situação da Argentina é de total desespero para os trabalhadores, que viram seu nível de qualidade de vida cair muito nos últimos anos. Para se ter uma ideia, a inflação bateu na casa dos 53,8% no ano passado e já se encontra em 40,7% neste, o que corresponde a praticamente o dobro do valor dos preços em apenas dois anos, enquanto os salários praticamente não subiram.

O PIB do país despencou no segundo trimestre deste ano, com queda de 16,2% em relação ao trimestre anterior, que já apresentara queda de 4,2%. Em relação ao ano passado, a queda foi de 19,1%, maior que da história, maior até que a queda do segundo trimestre de 2001, que ficou em 16,3% e foi a queda responsável pelo famoso “argentinaço”.

Para se ter uma ideia dos rumos que todos esses indicadores irão tomar, alguns analistas e organizações internacionais indicam que até o final do ano mais da metade da população argentina irá se encontrar na linha da pobreza.

A situação atual da Argentina foi potencializada por conta da pandemia, no entanto, é resultado direto da entrega do país ao imperialismo e ao sistema financeiro internacional. Essa política teve mais peso após o governo de Mauricio Macri, que governou o país entre 2015 e 2019. Seu governo foi colocado por meio de um processo de golpe de estado na Argentina, com o intuito de entregar o país para o imperialismo.

A própria pandemia descontrolada também é fruto da política neoliberal, já que os recursos que deveriam ser gastos pelo estado para salvar a vida da população e manter seu nível de vida, é dado diretamente aos bancos para que eles não venham a falência.

Até mesmo com a eleição de Alberto Fernandez, o país continuou na mesma política. O governo de Fernandez nada mais foi do que uma tentativa de se fazer demagogia com a classe trabalhadora no intuito de evitar uma explosão, já que Cristina Kirchner, a verdadeira líder da esquerda no país, faz parte do governo na posição de vice-presidenta.

No entanto, mesmo Cristina no governo e alguma política esquerdista, Alberto Fernandez continua realizando a política neoliberal de seu antecessor, em uma menor medida. Prova disso é a garantia que Alberto Fernandez dá de que a Argentina pagará sua dívida externa, mesmo com todos os problemas enfrentados pela população e a necessidade de que o país mantenha dinheiro dentro de seu território e invista em políticas que melhorem a qualidade de vida do povo.

Alberto Fernandez também voltou a negociar com o FMI. Os empréstimos do sistema financeiro internacional fazem com que o país somente invista em atividades que não desenvolvam sua indústria, de maneira que sua dívida aumente e sua economia nunca se desenvolva de fato.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas