Pandemia na Argentina
No dia 17 de julho o governo argentino anunciou a flexibilização da quarentena no momento que a Argentina é incluída no grupo de 20 com mais casos de covid-19 no mundo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
f800x450-23784_75230_5050 (1) (1)
Alberto Fernández tendo a um lado Axel Kicillof e ao outro Horacio R. Larreta na Quinta de Olivos | Foto: Reprodução https://www.diariosumario.com.ar/

Na última sexta feira, dia 17 de julho o governo argentino anunciou a flexibilização da quarentena. As regras devem ser afrouxadas no momento que a Argentina é incluída no grupo de 20 com mais casos de covid-19 no mundo, a flexibilização ocorrera até nas regiões com situações mais críticas, que são a região metropolitana de Buenos Aires (que inclui a capital federal) e nas províncias de Rio Negro e Chaco.

Este é um momento onde há um visível aumento no número de contágios na Argentina, que totalizam no momento 134.780 casos confirmados de covid-19 e 2.487 mortes decorrentes destes, só na Cidade Autônoma de Buenos Aires são 62.971 casos confirmados e 1.060 mortes. As províncias de Buenos Aires, Chaco e Rio Negro são as provinciais com cenários mais preocupantes e por isso mantinham regras mais rígidas, entretanto mesmo com a visível agudização da pandemia essas regras começaram a ser relaxadas neste sábado passado dia 18 de julho.

Nesta segunda dia 20 de julho, até mesmo o comércio não essencial foi autorizado a reabrir, só mantendo suspenso o atendimento em cafés e restaurantes, que permanecem autorizados apenas a trabalharem em sistema de delivery e retirada com hora marcada. A partir do dia 20 de julho os parques também foram reabertos, estando proibido o agrupamento superior a duplas, para prática de esportes.
.
Em um anúncio na residência oficial da Presidência Argentina a Quinta de Olivos, o presidente Alberto Fernández, tendo a um lado o governador da província de Buenos Aires, também peronista Axel Kicillof e ao outro lado o chefe do governo da cidade de Buenos Aires, o oposicionista Horacio Rodríguez Larreta, o governo da Argentina comunicou a retomada das atividades econômicas. Mesmo alegando que “Precisamos, porém, ter muito cuidado, porque o vírus é muito rápido e muito contagioso” Fernandez afirma que a Argentina “em uma situação boa” comparado com o EUA, o Brasil, o Peru e o Chile, e vai adiante com a política de reabertura.

Estima-se que 25 mil pequenas e médias empresas faliram durante a pandemia na Argentina, só no setor de restaurantes e cafés foram 30% que decretaram falência, muitas das empresas preferiram decretar falência para poderem demitir os seus funcionários. Algumas multinacionais também encerraram as atividades no país, é o caso da Latam argentina e da Basf alemã.

Essa saída ou flexibilização da quarentena no momento em que os casos de contaminação apenas crescem vem apenas para atende aos interesses dos empresários e capitalistas e não se engane terá um alto custo de vidas de trabalhadores da população mais pobre.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas