Eleito “democraticamente”?
Novo presidente boliviano rejeita contratos feitos com governo golpista, mas quer negociar com governo Bolsonaro, que é golpista
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
40767725373_23deef5325_k
Luis Arce, novo presidente boliviano e ex-ministro da economia de Evo Morales | Foto: Casa de América

O recém empossado presidente da Bolívia, Luis Arce, afirmou que pretende rever contratos para a exportação de gás natural para o Brasil, afirmando que os compromissos teriam sido firmados, inadequadamente, com um governo ilegítimo, o governo de fato, da golpista Jeanine Añez.

Afirmou: “queremos revisar os atuais contratos e fazer isso do ponto de vista de uma relação de 2 governos que foram eleitos de modo democrático”.

A declaração foi feita há algumas semanas, ainda durante a campanha, e se refere, principalmente, a um aditivo assinado em março entre a Petrobrás e a YPFB (Yacimientos Petrolíferos Fiscales) que previu a redução da importação pela estatal brasileira e a venda do excedente para empresas privadas instaladas no Brasil.

Detalhe que, em sua afirmação, o presidente boliviano caracteriza, devidamente, o governo golpista boliviano anterior, mas considera legítimo o governo Bolsonaro produto do golpe de 2016 e da prisão do ex-presidente Lula.

Trata-se de mais uma demonstração de direitismo do novo presidente boliviano.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas