Sob a proteção de Aras
Segundo Aras, Ricardo Schmidt cometera uma grave infração: o “abuso do direito de peticionar”.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
augusto-aras
Augusto Aras, procurador-geral da República | Ladeira/Folhapress

Augusto Aras, procurador-geral da República (PGR), emitiu parecer pedindo a investigação do advogado Ricardo Bretanha Schmidt pela pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SC). Segundo Aras, o pedido se deve a “eventual prática de infração disciplinar”.

O advogado catarinense é nada mais que autor de mais de 20 pedidos de apuração de supostas irregularidades ligadas ao golpista Jair Bolsonaro, à ministra Damares Alves (Mulher, da Família e dos Direitos Humanos), o ministro André Mendonça (Justiça), bem como deputados intimamente ligados ao presidente e que compõem a sua base de apoio. Dessa forma, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), Bia Kicis (PSL-DF) e Otoni de Paula (PSC-RJ) também integram a lista de Schmidt.

Segundo Aras, Ricardo Schmidt cometera uma grave infração: o “abuso do direito de peticionar”. Para a infelicidade de Schmidt, via de regra ministros do Supremo encaminham as petições para a Procuradoria-Geral. É a partir daí que se faz o pedido à corte para que seja instaurada qualquer investigação sobre autoridades com foro.

“A legislação processual não contempla a legitimação de terceiros para a postulação de abertura de inquéritos ou de diligências investigativas relativas a crimes de ação penal pública”, afirma Aras no documento. Ainda segundo o procurador, o advogado demonstra “inconformismo com os rumos da política nacional e com o atual governo” e que tal descontentamento, por si só, “não autoriza o emprego descomedido da notícia”.

Schmidt, no entanto, responde dizendo que “na realidade, o que acontece é que o governo comete ilegalidades, têm irregularidades que precisam ser investigadas e eu aciono a Procuradoria-Geral da República, que deveria fazer esse papel de pelo menos investigar esses fatos”. Ademais, o que ficou claro, segundo o advogado, é que a decisão de Aras é uma “tentativa de intimidação”.

Até onde se sabe, Aras tem se comprometido inteiramente com o governo e já negou prosseguimento à petição de Ricardo contra a ministra Damares Alves.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas