Menu da Rede

Direito à sindicalização dos militares de baixa patente!

Expedito Mendonça

Expedito Mendonça

Formado em História pelo Centro Universitário de Brasília (CEUB). Colunista do Diário Causa Operária, participa às quintas e domingo do programa de esportes "Na Zona do Agrião“, transmitido no Youtube pelo canal Causa Operária TV.

Opressão absolutista

Arábia Saudita, o terror contra as mulheres no Oriente Médio

O regime opressor saudita mantém uma brutal repressão a toda e qualquer manifestação contra a ditadura monárquica, atacando, em particular, os direitos das mulheres

As mulheres sauditas estão privadas dos direitos mais elementares no país – Foto: “Reprodução”

Redação do DCO

Expedito Mendonça

A ditadura monárquico-reacionária saudita condenou, nos últimos dias do ano de 2020, a ativista de 31 anos, Loujain Al-Hathloul. A sentença, anunciada no dia 28 de dezembro, deixará a ativista encarcerada por 5 anos e 8 meses. Loujain foi condenada pelo “bárbaro” crime de lutar pelo direito das mulheres sauditas de poder dirigir. Ela já vinha cumprindo prisão – sem estar julgada – há dois anos e meio em uma unidade prisional de segurança máxima.

A arbitrariedade e o caráter ditatorial da condenação de Loujain fica explicitado pelo fato da ativista ter sido presa semanas antes das mulheres ganharem o direito de dirigir na Arábia Saudita. Junto à Loujain, outros ativistas acusados de ter contatos com ‘organizações hostis’ também foram presos. Desde então, várias organizações ao redor do mundo favorável aos direitos humanos pedem a libertação da ativista saudita.

Mesmo diante das evidências que demonstram a ausência de crime contra o Estado cometido por Loujain,, o Tribunal Criminal Especializado Saudita, criado para julgar casos de terrorismo, a condenou por ameaçar a “segurança nacional” e “favorecer a agenda estrangeira”.

A família da ativista, assim como organizações de defesa dos direitos das mulheres no país, negam as acusações e afirmam que a ativista foi torturada na prisão, desde quando foi encarcerada. Cinicamente, as autoridades judiciais sauditas negam as acusações de tortura e de que a prisão foi por conta do “ativismo dela”.

Informações dão conta que “parentes da ativista disseram que ela foi mantida incomunicável por três meses após a prisão e sofreu choques elétricos, chicotadas e assédio sexual. A família ainda afirma que foi oferecida libertação em troca de declarações públicas negando as torturas” (Portal IG, 30/12). Em novembro, a Anistia Internacional já havia condenado o tratamento desumano, a brutalidade e a hipocrisia do regime saudita diante do caso da ativista.

Embora haja manifestações de condenação de organizações internacionais de direitos humanos às atrocidades do regime feudal obscurantista saudita, o que se percebe é que não há, por parte da maioria dos “regimes democráticos” do ocidente, qualquer condenação mais enérgica e contundente diante das flagrantes violações dos direitos não só das mulheres na Arábia Saudita, mas de arbitrariedades insanas perpetradas contra qualquer forma de oposição política que porventura venha a surgir no país.

A explicação para tal silêncio talvez esteja no fato de que os “governos democráticos” das potências capitalistas ocidentais se encontrem muito ocupados em condenar as “terríveis violações dos direitos humanos” em Cuba, na Venezuela, na China, na Coréia do Note e no Irã. Na reino da Arábia Saudita – que sequer tem uma constituição – talvez não venha ao caso ter uma postura crítica em relação ao que acontece no país dos reis e príncipes reacionários, opressores da própria população.

O episódio envolvendo a condenação da ativista saudita – assim como centenas de outros ao redor do mundo – expõe claramente a hipocrisia dos “governos civilizados” das democracias burguesas do ocidente, dispostos a fazer tábula rasa diante das maiores brutalidades contra os direitos humanos, quando essas violações são perpetradas por regimes com vocação inequivocamente pró-imperialista, como é o caso da Arábia Saudita. Portanto, para o imperialismo, não há qualquer mínima preocupação com a defesa dos direitos humanos onde quer que seja, mas unicamente a conveniência da defesa dos seus interesses econômicos e geopolíticos.

 

 

 

 

 

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.