Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Na última sexta-feira, dia 09, a prefeitura de Marcelo Crivella enviou a Guarda Municipal para acompanhar a destruição de quiosques de comerciantes por retroescavadeira no centro da Vila Kennedy, zona oeste do Rio de Janeiro.

Como era de se esperar, a população ao ver seu local de trabalho sendo amassado pelas máquinas se revoltou. A direita então com medo de uma reação mais forte correu para tentar justificar o episódio e uma instituição passou a jogar a culpa na outra.

A administração municipal disse que teriam denúncias de venda de drogas na região. De acordo com a Secretaria Municipal da Fazenda havia construções irregulares no local.

A prefeitura disse em nota que foi “uso desproporcional da força”. A prefeitura informou também que a operação foi a pedido da Polícia Militar.

O CML (Comando Militar do Leste), por sua vez, afirmou que a prefeitura agiu por conta própria. “A ação foi por iniciativa da própria prefeitura, empregando a Guarda Municipal, em coordenação com comando de policiamento militar da região. Eles aproveitam a estabilidade da área, fornecida pelas tropas das Forças Armadas, para ações de organização do espaço urbano”, disse o chefe de comunicação do CML, coronel Carlos Frederico Cinelli

As Forças Armadas falaram que não têm nenhuma relação com o ocorrido. Ou seja, isso mostra como a direita apesar de seu ódio à população têm muito medo da reação dos trabalhadores.

Uma observação especial para o papel das Forças Armadas. A Guarda Municipal e a Polícia Militar teriam se aproveitado da presença do Exército para agir de maneira mais fascista contra os moradores e quem frequenta o bairro.

Ao mesmo tempo, as FFAA mostraram que estão pisando em ovos. Uma intervenção, mais propriamente dita, invadiria todas as favelas, prenderia todos que vissem pela frente. O que tem acontecido, na prática, é uma operação de inteligência; monitoramento da região, obviamente com fins políticos.

Esse acontecimento mostra que a presença das Forças Armadas intensifica as atitudes fascistoides de diversos setores direitistas e que os golpistas estão preparando o terreno, coletando informações para uma atuação muito mais dura. Os trabalhadores devem expulsar as Forças Armadas do Rio de Janeiro, denunciar e se juntar contra as arbitrariedades que estão sofrendo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas