Aprofunda-se a perseguição política: PF prende 10 deputados estaduais no RJ

Alerj

Da redação – A Polícia Federal, em um desdobramento da Operação Lava Jato, cumpre na manhã desta quinta-feira (08) ordem de 22 mandados de prisão no Rio de Janeiro, 10 deles contra deputados estaduais.

Entre os alvos da operação estão os deputados reeleitos Luiz Martins (PDT), Marcus Vinícius Neskau (PTB), Marcos Abrahão (Avante), Chiquinho da Mangueira (PSC) – presidente da escola de samba Mangueira.

Alguns mandados estão sendo cumpridos dentro da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (ALERJ).

A golpista e ligada ao imperialismo Polícia Federal diz que a operação é contra “organização criminosa” e que os deputados teriam participado em esquemas de corrupção, lavagem de dinheiro, loteamento de cargos públicos e mão de obra terceirizada em órgãos da administração estadual, segundo a Agência Brasil.

Trata-se, na verdade, de mais uma operação de perseguição política. Não importa se as vítimas são de partidos de direita ou mesmo corruptos, porque não é isso que importa nesse tipo de operação. A PF é uma organização a serviço do golpe e do imperialismo, e está inserida na extensa perseguição policial e judiciária contra cargos que – mesmo eleitos pela fraude eleitoral – são, de algum modo, possíveis, mesmo que minimamente, de controle popular, enquanto a PF e o Judiciário são órgãos ditatoriais sem nenhum tipo de controle por parte da população. O Brasil se transformou em um Estado policial e militarizado, e esse tipo de ação está inserida nesse contexto.