Luta inócua e capituladora
Judicialização da luta em instituição reacionária como o TRT, cartas aos parlamentares golpistas, e pedido de apoio ao fascista Bolsonaro, é só o que consegue o Sindmetal de SJC.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
sindimetal sjc
Trabalhadores acompanham a audiência na justiça do trabalho sobre a greve | Foto: Roosevelt Cássio

No último dia 20, foi realizada, no Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (TRT15 – Campinas), a audiência judicial entre o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e a empresa MWL. Na audiência, nenhum acordo foi construído, mas a negociação vai continuar independente do encaminhamento do processo, e também a greve, já que a empresa se negou a apresentar uma garantia de pagamento das verbas rescisórias, em caso de fechamento da fábrica.

Desde o dia 21 de setembro, quando iniciou a greve, os trabalhadores pararam ante a possibilidade de despejo da empresa, e estão sem receber. O pagamento dos dias parados, a regularização do transporte e alimentação na fábrica, são as condições impostas à empresa para que a greve acabe.

A direção do sindicato, pelo vice-presidente Renato Almeida, ligada ao CSP Conlutas/ PSTU, organizou a transmissão da audiência para que a categoria acompanhasse, e se pronunciou ao final dizendo que:

“Fica evidente que está se desenhando um calote por parte da administração chinesa da MWL. Os trabalhadores continuarão firmes em sua luta para garantir seus salários e direitos. Se não chegarmos a um acordo, o Sindicato vai buscar todas as medidas judiciais cabíveis”.

Todavia, a exemplo de outras negociações realizadas pelo CSP Conlutas/PSTU, a negociação pode chegar a um termo ruim para a categoria, existindo um temor pelo caminho que ela está tomando.

Também à frente das negociações com a  Embraer, que mês passado demitiu 900 trabalhadores que estavam em licença remunerada, um dia após o encerramento do programa de demissão voluntária (PDV) da companhia, que teve 1.600 adesões em todo o país, o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, ao invés de organizar uma verdadeira mobilização, com greve, ocupação da empresa pelos trabalhadores, convocação dos movimentos sociais e familiares para apoiar os trabalhadores, e etc, a CSP Conlutas/ PSTU, com o Sindicato, utilizou estratégias que não as tradicionais e eficazes estratégias de luta consagradas pela classe trabalhadora, em troca de outras, tais como audiência de mediação no reacionário Tribunal Regional do Trabalho (TRT), judicialização da luta, e “pressão”, através de cartas ao presidente ilegítimo/fascista Bolsonaro, aos, igualmente fascistas/golpistas governador João Doria (PSDB),  presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), pedindo agendamento de reunião para discussão sobre a demissão em massa realizada pela Embraer.

Como já se sabe, estas estratégias de lutas, antes mesmo de se preocupar com os trabalhadores, buscam apoio nesses políticos envolvidos com o governo de Bolsonaro, presidente ilegítimo, cuja orientação é entregar todo o patrimônio brasileiro em privatizações e repassar dinheiro aos banqueiros, políticos da Frente Ampla, de reforço dessa política entreguista, e que também fazem passar no Congresso todas as medidas necessárias para que essa agenda de massacre do trabalhador, de liquidação do Brasil, tenha seu trâmite no legislativo sem obstáculos.

A CSP Conlutas/ PSTU, com essa política equivocada que defende, e que decidiu abandonar as estratégias de luta consagradas pelas vitórias da classe trabalhadora no embate contra a burguesia, alimenta a ilusão de poder ser acolhida por instituições reacionárias, controladas exatamente pela própria burguesia, colocando em jogo o futuro da categoria, que, pela ineficácia das manobras, fica completamente em cheque.

A solução é acabar com o equívoco e retomar o controle da situação com uma real mobilização da classe operária, em um verdadeiro levante com greves massivas, ocupações das empresas pelo trabalhador, envolvendo toda a população contra as demissões, calotes, e a entrega das empresas, antes tarde do que nunca. 

A entrega do patrimônio brasileiro com as privatizações, que favorece ao capital financeiro, e facilita as negociações com a colaboração aos patrões na justiça trabalhista, só vai ter fim se atacarmos radicalmente o governo Bolsonaro e todos os golpistas, responsáveis pela política de rapina contra os trabalhadores e da população em geral.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas