Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

O assassinato brutal realizado pela direita fascista de Santa Catarina do indígena Marcondes Namblá Xokleng, no município de Penha (SC) não é um fato isolado ou pode ser considerado como uma fatalidade.

Os indígenas sempre foram perseguidos no Estado, mas após o golpe essa situação se agravou em todos os sentidos. Desde 2016 houve diversos fatos que revelam que a campanha contra os povos indígenas realizada pela direita fascista estimulou as ações de pistoleiros, indivíduos com comportamento fascista e a justiça golpista.

No dia 30 de dezembro de 2015, após uma intensa campanha da direita contra o governo do PT e suas políticas sociais, na cidade de Imbituba um indígena de apenaa seis anos foi degolado na madrugada em frente a sua mãe. A cacique Márcia Rodrigues, da aldeia Condá, em Chapecó (SC), mesma aldeia da criança indígena assassinada, reclamou na época do comportamento dos policiais sobre o caso e afirmou que “ foi coisa de branco neonazi que odeia índios”.

No dia 30 de maio de 2017, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) anulou, a Portaria nº 2.747/2009 do Ministério da Justiça, que reconhecia e demarcava como terra indígena o aldeamento de Tarumã, localizado na região de Joinville (SC). Apesar dos estudos realizados por especialistas através da perícia antropológica e o cumprimento de todos os passos para a demarcação da terra indígena, a 3ª Turma declarou a inexistência da posse tradicional dos índios da etnia Guarani Mbyá. Um dos fatos mais graves do ano, pois a anulação de terras indígenas abriu precedentes para todas as terras indígenas demarcadas ou em processo.

Outro local que está prestes para ser palco de mais violência contra os povos indígenas é a Terra Indígena Morro dos Cavalos, localizada em Palhoça (SC). Os indígenas da etnia Guarani Mbya e Guarani Nhandeva sofrem constantes ataques de pistoleiros, invasões e têm os bens incendiados.

Juntamente com esses fatos, políticos da direita do PMDB, PSDB e DEM realizam constantes campanhas para incitar outros fascistas a atacarem os povos indígenas de Santa Catarina, inclusive do Oeste do Estado, palco de grandes conflitos. A direita fascista se utiliza dos meios de comunicação da imprensa burguesa para fazer a campanha.

Esses são alguns fatos que revelam que a direita fascista após o golpe está cada vez mais ativa e violenta. A ação do judiciário golpista e do Estado burguês está colocando os fascistas diretamente contra os povos oprimidos, em particular os povos indígenas, setor mais explorado da sociedade.

A direita fascista quer acabar com as demarcações de terras indígenas e com os povos indígenas, e vão colocar esse plano em prática com os golpistas. Portanto está na ordem do dia organizar os povos indígenas de Santa Catarina para garantir seu direito de autodefesa e lutar para derrotar o governo golpista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas